Marcelo defende que UE tem assuntos mais importantes a resolver do que mudança de hora

| País
Marcelo defende que UE tem assuntos mais importantes a resolver do que mudança de hora

Foto: Mário Cruz - Lusa

O Presidente da República defendeu sexta-feira que a União Europeia tem assuntos mais importantes a resolver do que a questão da mudança da hora, sobre a qual não quis revelar já a sua posição.

Questionado se há algum desentendimento com o Governo sobre esta matéria, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu que "não há desentendimento nenhum, porque ainda ninguém definiu qual é a posição".

"Simplesmente, eu não quero correr o risco de, ao definir a minha posição pessoal, depois descobrir que o parlamento tem uma posição muito diferente ou o Governo tem uma posição diferente. Veremos", justificou.

Embora sem revelar a sua posição, o chefe de Estado desvalorizou este tema, sustentando que "pode ser ou não um problema europeu, considerado como suficientemente importante para ser um problema europeu", e acrescentou: "Nesta reunião, não foi considerado".

"Vejam bem o seguinte: nós já temos alguns problemas para resolver. Se me perguntassem se (a questão da mudança de hora) é, em termos europeus, mais importante do que o quadro financeiro plurianual - não é, certamente. Mais importante do que prevenir crises económicas e monetárias, não é certamente. Do que as migrações e refugiados, não é", reforçou.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.