Marcelo exige "apuramento" da verdade

| País
Marcelo exige apuramento da verdade

A ver: Marcelo exige "apuramento" da verdade

Um mês depois, Marcelo Rebelo de Sousa lembra que 64 mortos interpelam o país "exigindo a verdade". É assim que numa mensagem, no site da presidência da República, o Chefe de Estado relembra "a exigência do apuramento total de factos e de responsabilidades, e de reconstrução imediata, em clima de trégua eleitoral local".

"Um mês depois da tragédia, evocando respeitosamente as vítimas, acompanhando a dor dos seus familiares, agradecendo o heroísmo anónimo dos que combateram o fogo e dos que testemunharam e testemunham solidariedade, relembro a exigência de apuramento total de factos e de responsabilidades, e de reconstrução imediata, em clima de trégua eleitoral local, aliás à medida da ilimitada generosidade do povo português.

Sessenta e quatro mortos interpelam-nos, exigindo verdade, convergência e reconstrução, com a humildade de assumirmos que os poderes públicos não corresponderam às expectativas neles depositadas".

No México, onde está a fazer uma visita de dois dias, o Presidente deixou uma mensagem de solidariedade às vitimas dos incêndios de Pedrogão.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Em Cuba, os Castro passam o testemunho do poder, que mantiveram durante quase 60 anos.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.