Marcelo exige "apuramento" da verdade

| País
Marcelo exige apuramento da verdade

A ver: Marcelo exige "apuramento" da verdade

Um mês depois, Marcelo Rebelo de Sousa lembra que 64 mortos interpelam o país "exigindo a verdade". É assim que numa mensagem, no site da presidência da República, o Chefe de Estado relembra "a exigência do apuramento total de factos e de responsabilidades, e de reconstrução imediata, em clima de trégua eleitoral local".

"Um mês depois da tragédia, evocando respeitosamente as vítimas, acompanhando a dor dos seus familiares, agradecendo o heroísmo anónimo dos que combateram o fogo e dos que testemunharam e testemunham solidariedade, relembro a exigência de apuramento total de factos e de responsabilidades, e de reconstrução imediata, em clima de trégua eleitoral local, aliás à medida da ilimitada generosidade do povo português.

Sessenta e quatro mortos interpelam-nos, exigindo verdade, convergência e reconstrução, com a humildade de assumirmos que os poderes públicos não corresponderam às expectativas neles depositadas".

No México, onde está a fazer uma visita de dois dias, o Presidente deixou uma mensagem de solidariedade às vitimas dos incêndios de Pedrogão.

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.