Mau tempo de regresso. Portugal afetado pela depressão Gisele a partir desta terça-feira

| País

|

Portugal continental e os arquipélagos dos Açores e da Madeira vão ser afetados a partir de hoje pela passagem da depressão "Gisele", que vai trazer chuva e vento forte e agitação marítima, segundo a meteorologista Ângela Lourenço. Na quarta-feira, todos os distritos estarão sob aviso amarelo.

"Vamos ter novamente o impacto de uma depressão. Vamos ter precipitação e vento forte e novamente um episódio de agitação marítima a partir de amanhã, dia 14, no continente e na Madeira, mas no caso dos Açores chega já hoje", disse a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com Ângela Lourenço, no caso dos Açores, está previsto agitação marítima com ondas com uma altura mais significativa de 05 a 08 metros e rajadas de vento da ordem dos 110 quilómetros por hora, em especial nos grupos central (Terceira, S. Jorge, Pico, Faial e Graciosa) e ocidental (Flores e Corvo).

"Nos casos da Madeira e continente será a passagem de uma superfície frontal fria que está associada à depressão "Gisele" e vai fazer-se sentir durante o dia de quarta-feira. Vamos ter precipitação que será por vezes forte, acompanhada por granizo e trovoada, em especial a partir da tarde, altura em que a superfície vai atravessar o território", adiantou.
Situação mais pacífica

No que diz respeito à agitação marítima, Ângela Lourenço destacou que será uma situação mais pacífica do que a que se viveu no fim de semana passado, em que o território esteve sob aviso vermelho.

"Estamos à espera de ondas de oeste com 4 a 5 metros. Quanto ao vento, poderá chegar aos 100 quilómetros por hora nas terras altas e aos 90 no restante território. As zonas do litoral e as terras mais elevadas são os sítios onde a rajada será mais elevada", disse.

Na Madeira, segundo o IPMA, a situação será mais pacífica, prevendo-se agitação marítima e precipitação intensa, mas não será tanto como no continente.

"O vento também vai ser menos intenso do que no continente. Mesmo no continente, as zonas onde se fará mais sentir o efeito da depressão serão as regiões mais a norte, porque a depressão depois vai para o golfo da Biscaia", salientou.
Quarta-feira é dia mais crítico
Segundo Ângela Lourenço, a depressão nasce a norte dos Açores e vai em direção ao golfo de Biscaia, afetando de forma mais direta a parte norte da península ibérica.

"O dia mais crítico no que diz respeito aos efeitos da depressão é o dia 14 (quarta-feira) e a partir daí desloca-se em direção a nordeste afetando as ilhas britânicas. No entanto, vamos continuar com uma situação de chuva até ao fim de semana, mas já não é o efeito da depressão 'Gisele'", disse.

No que diz respeito às temperaturas, a meteorologista adiantou que haverá uma descida da mínima na quinta-feira, mas depois sobe e estabiliza.

"Vamos continuar com estas depressões e superfícies frontais que estão a deslocar-se no Atlântico. Normalmente tem uma trajetória de oeste para leste, tem uma génese aproximadamente na região costa leste dos Estados Unidos e tem tido um deslocamento muito a sul afetando diretamente o território nacional. Vamos continuar com este regime, ou seja, com chuva por vezes mais intensa e períodos em que não chove ", indicou.
Aviso amarelo na quarta-feira

Na quarta-feira, todos os distritos de Portugal continental vão estar na quarta-feira sob aviso amarelo, uns devido a agitação marítima e outros por causa da chuva e vento forte, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Segundo o Instituto, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Bragança, Vila Real, Porto, Guarda, Viseu, Aveiro, Coimbra e Castelo Branco vão estar sob aviso amarelo devido à previsão de períodos de chuva, por vezes forte, passando a regime de aguaceiros, por vezes fortes e de granizo e condições favoráveis à ocorrência de trovoada.

O aviso para a precipitação vai estar em vigor entre as 12h00 e as 18h00 de quarta-feira.

Estes distritos vão estar também sob aviso amarelo devido ao vento forte com rajadas da ordem dos 90 quilómetros por hora, podendo atingir os 100 nas terras altas entre as 09h00 e as 15h00 de quarta-feira.

Os distritos de Santarém, Portalegre, Lisboa, Santarém, Leiria, Setúbal, Évora, Beja e Faro vão estar sob aviso amarelo até às 15h00 por causa do vento forte.
Agitação marítima
O IPMA emitiu também aviso amarelo entre as 15h00 de quarta-feira e as 06h00 de sexta-feira para toda a costa portuguesa devido á agitação marítima, prevendo-se ondas de oeste com 4 a 5 metros, passando gradualmente a ondas de noroeste.

Também a Madeira está até ao final do dia de hoje sob aviso laranja devido ao vento e agitação forte.

De acordo com a Marinha Portuguesa, as barras de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, São Martinho do Porto e Ericeira estão hoje fechadas à navegação e as de Viana do Castelo, Póvoa do Varzim, Vila do Conde, Douro e a de Aveiro estão condicionadas.

Portugal continental e os arquipélagos dos Açores e da Madeira vão ser afetados a partir de hoje pela passagem da depressão "Gisele", que vai trazer chuva e vento forte e agitação marítima, segundo a meteorologista Ângela Lourenço.

"Vamos ter novamente o impacto de uma depressão. Vamos ter precipitação e vento forte e novamente um episódio de agitação marítima a partir de amanhã, dia 14, no continente e na Madeira, mas no caso dos Açores chega já hoje", disse a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

c/ Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.