Meios de combate para fase mais crítica estão todos no terreno - MAI

| País

Os meios de combate previstos para o período mais crítico em incêndios florestais, que devia começar a 01 de julho, estão todos no terreno, segundo o Ministério da Administração Interna (MAI).

Fonte oficial do MAI avançou à agência Lusa que "todos os meios da fase `Charlie` já estão no terreno".

Segundo o MAI, os meios de combate foram ativados à medida "do desenvolvimento e necessidades" dos fogos da região Centro.

Segundo o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF), a fase `Charlie` envolve 9.740 operacionais e 2.065 viaturas, apoiados por 48 meios aéreos e 236 postos de vigia da responsabilidade da Guarda Nacional Republicana.

Esta fase mais crítica em incêndios florestais devia começar a 01 de julho e termina a 30 de setembro.

No sábado, quando deflagrou o incêndio em Pedrogão Grande, o DECIF estava na fase `Bravo`, que começou a 15 de maio e devia prolongar-se até 30 de junho, e mobilizava 6.607 operacionais, 1.514 viaturas, 32 meios aéreos e 72 postos de vigia.

O número de incêndios a lavrar em Portugal tem aumentado nas últimas horas, registando-se pelas 15:30 de hoje um total de 40 fogos florestais, mobilizando 2.816 operacionais, auxiliados por 928 viaturas e 24 meios aéreos, segundo a Proteção Civil.

O incêndio que deflagrou no sábado à tarde em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 150 feridos, segundo um balanço divulgado hoje.

O fogo começou em Escalos Fundeiros, e alastrou depois a Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria.

Desde então, as chamas chegaram aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.

Este incêndio já consumiu cerca de 26.000 hectares de floresta, de acordo com dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais.

 

 

Tópicos:

Figueiró Vinhos Castanheira, Pampilhosa, Pedrogão, Pedrógão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um mês depois dos incêndios, ainda há raízes em combustão sob a terra no concelho de Pedrógão Grande. Reunimos aqui um conjunto de vídeos em 360 graus captados no local.

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Nos últimos dois anos a RTP ouviu três vozes com diferentes perspetivas do conflito israelo-palestiniano: Miko Peled, Shahd Whadi e Tamir Ginz.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.