Meios de combate para fase mais crítica estão todos no terreno - MAI

| País

Os meios de combate previstos para o período mais crítico em incêndios florestais, que devia começar a 01 de julho, estão todos no terreno, segundo o Ministério da Administração Interna (MAI).

Fonte oficial do MAI avançou à agência Lusa que "todos os meios da fase `Charlie` já estão no terreno".

Segundo o MAI, os meios de combate foram ativados à medida "do desenvolvimento e necessidades" dos fogos da região Centro.

Segundo o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF), a fase `Charlie` envolve 9.740 operacionais e 2.065 viaturas, apoiados por 48 meios aéreos e 236 postos de vigia da responsabilidade da Guarda Nacional Republicana.

Esta fase mais crítica em incêndios florestais devia começar a 01 de julho e termina a 30 de setembro.

No sábado, quando deflagrou o incêndio em Pedrogão Grande, o DECIF estava na fase `Bravo`, que começou a 15 de maio e devia prolongar-se até 30 de junho, e mobilizava 6.607 operacionais, 1.514 viaturas, 32 meios aéreos e 72 postos de vigia.

O número de incêndios a lavrar em Portugal tem aumentado nas últimas horas, registando-se pelas 15:30 de hoje um total de 40 fogos florestais, mobilizando 2.816 operacionais, auxiliados por 928 viaturas e 24 meios aéreos, segundo a Proteção Civil.

O incêndio que deflagrou no sábado à tarde em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 150 feridos, segundo um balanço divulgado hoje.

O fogo começou em Escalos Fundeiros, e alastrou depois a Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria.

Desde então, as chamas chegaram aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.

Este incêndio já consumiu cerca de 26.000 hectares de floresta, de acordo com dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais.

 

 

Tópicos:

Figueiró Vinhos Castanheira, Pampilhosa, Pedrogão, Pedrógão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Por que razão não voltou o Homem ao satélite natural da Terra desde a década de 70 do século XX? Uma das explicações pode estar na poeira que cobre a superfície da Lua.