Ministério da Saúde fala em evolução favorável nos indicadores de combate ao cancro, mas estudo contraria

por RTP

Apesar dos vários doentes oncológicos que se queixam de negligência por parte do SNS, o Ministério da Saúde garante que houve uma evolução favorável em todos os indicadores do combate ao cancro durante a pandemia.

O Ministério enviou ao Sexta às 9 dados relativos ao período de janeiro a setembro de 2021.

Garante que há 7433 portugueses em lista de espera para neoplasias malignas, mas assegura que houve uma diminuição do tempo médio de espera nestas cirurgias: de 36 dias em 2019, antes da pandemia, para 33 dias agora, em 2021.

Outro indicador positivo ao nível dos operados: de janeiro a setembro foram 43031, o que corresponde a mais 21,2 por cento do que em 2019.

O Ministério da Saúde assegura ainda que houve um aumento dos principais rastreios oncológicos.

Joana Simões, médica interna e investigadora, é uma das coordenadoras de um estudo internacional sobre o impacto das medidas de confinamento nas cirurgias a doentes oncológicos.

Em direto no Sexta às 9, a especialista explicou que os dados desse estudo não são "tão favoráveis" quanto os números apresentados pelo Governo.
pub