Ministro do Planeamento rejeita falhas na assistência em Pedrógão

| País
Ministro do Planeamento rejeita falhas na assistência em Pedrógão

A ver: Ministro do Planeamento rejeita falhas na assistência em Pedrógão

De visita às obras de uma casa de primeira habitação afetada pelo incêndio de Pedrogão Grande e que está a ser reconstruída, o ministro do Planeamento e Infraestruturas garantiu que tem "estado a trabalhar desde o início".

"Este é um incêndio dramático com um alcance impressionante nestes territórios", reconheceu Pedro Marques.

"Mas estes são dinheiros públicos" sublinhou o ministro, lembrando as dificuldades já ultrapassadas: "10 dias para fazer um levantamento integral dos prejuízos e depois mais praticamente outro tanto para fazer toda a estruturação dos meios de apoio".

O ministro anunciou ainda a celebração de protocolos de colaboração entre o fundo REVITA - "o fundo público criado para estas situações" - com a União das Misericórdias e com a Fundação Gulbenkian e a Cáritas de Coimbra, entidades que descreveu como "credíveis", "para garantir de não há duplicações de apoios, que não há falta de coordenação".

O governante lembrou que já há cinco casas a ser reconstruídas e lembrou as facilidades concedidas aos proprietários para avançarem com as obras necessárias nos seus imóveis.

"Sim, os fundos estão coordenados no terreno", garantiu.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.