Ministro do Planeamento rejeita falhas na assistência em Pedrógão

| País
Ministro do Planeamento rejeita falhas na assistência em Pedrógão

A ver: Ministro do Planeamento rejeita falhas na assistência em Pedrógão

De visita às obras de uma casa de primeira habitação afetada pelo incêndio de Pedrogão Grande e que está a ser reconstruída, o ministro do Planeamento e Infraestruturas garantiu que tem "estado a trabalhar desde o início".

"Este é um incêndio dramático com um alcance impressionante nestes territórios", reconheceu Pedro Marques.

"Mas estes são dinheiros públicos" sublinhou o ministro, lembrando as dificuldades já ultrapassadas: "10 dias para fazer um levantamento integral dos prejuízos e depois mais praticamente outro tanto para fazer toda a estruturação dos meios de apoio".

O ministro anunciou ainda a celebração de protocolos de colaboração entre o fundo REVITA - "o fundo público criado para estas situações" - com a União das Misericórdias e com a Fundação Gulbenkian e a Cáritas de Coimbra, entidades que descreveu como "credíveis", "para garantir de não há duplicações de apoios, que não há falta de coordenação".

O governante lembrou que já há cinco casas a ser reconstruídas e lembrou as facilidades concedidas aos proprietários para avançarem com as obras necessárias nos seus imóveis.

"Sim, os fundos estão coordenados no terreno", garantiu.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.