Moradores do bairro da Jamaica protestam em frente à Câmara do Seixal na sexta-feira

| País

Associações e moradores do bairro da Jamaica convocaram hoje uma manifestação para a próxima sexta-feira, em frente à Câmara do Seixal (Setúbal), para protestar contra a "brutalidade policial" e por "habitações dignas", informou um membro do Coletivo Consciência Negra.

"O objetivo da manifestação é dar o espaço à comunidade para organizar, com o apoio de associações e coletivos do movimento negro, que estão solidários com as condições de que os negros e pessoas da periferia têm sido alvos em relação à questão policial, e da falta de habitações dignas. A comunidade sente essa necessidade de se auto-organizar e responder, mostrar que está atenta e que exige melhorias", explicou António Tonga.

Várias associações que estão solidárias com a população, na sequência do incidente que ocorreu em Vale de Chícharos, mais conhecido como bairro da Jamaica, estiveram hoje reunidas com os moradores, onde foi decidido realizar um protesto na sexta-feira, em frente à Câmara do Seixal, pelas 16:00.

O Coletivo Consciência Negra, a SOS Racismo, a Plataforma Gueto, a FEMAFRO e a Afrolis -- Associação Cultural são algumas das organizações que estão a dinamizar este movimento.

Para o membro do Coletivo Consciência Negra, faz todo o sentido que a manifestação seja em frente aos Paços do Concelho, porque a autarquia "tem que assumir responsabilidade perante a realidade do bairro".

"A câmara municipal tem uma palavra a dizer no que toca à atuação da polícia. Sabemos que a polícia não está sob tutela da câmara, mas enquanto órgão representante do Estado Português tem que ter uma voz firme em relação à brutalidade policial, à violência desnecessária e à estigmatização da comunidade. Não tem como dissociar", frisou.

António Tonga não revelou quantos moradores estiveram na reunião de hoje, mas afirmou que há "concordância e vontade" de realizar esta manifestação.

"É uma forma de os bairros da zona do Seixal e não só, de toda a Margem Sul, terem capacidade de se poderem organizar e protestar de forma pacífica", indicou.

No domingo de manhã, a PSP foi chamada a Vale de Chícharos após ter sido alertada para "uma desordem entre duas mulheres", o que resultou no ferimento, sem gravidade, de cinco civis e de um agente.

Devido a esta ocorrência, realizou-se uma manifestação em frente ao Ministério da Administração Interna, em Lisboa, que resultou em quatro detenções por apedrejamento aos agentes da PSP, incêndios a caixotes e viaturas, na zona de Loures e Odivelas, e lançamento de `cocktails Molotov`, em Setúbal.

Em declarações hoje à agência Lusa, um dos membros da Associação de Desenvolvimento Social de Vale de Chícharos, Vanusa Coxi, agradeceu o apoio que tem sido dado ao bairro, mas esclareceu que os moradores "não convocaram" nenhuma manifestação fora do concelho.

Os residentes falaram também sobre as dificuldades habitacionais e mostraram-se ansiosos pelo dia em que serão realojados, à semelhança das 187 pessoas do edifício 10 que, em dezembro, foram distribuídas por 64 habitações, através de um acordo financiado pela autarquia e pelo Governo.

O bairro começou a formar-se na década de 1990, quando populações que vinham de Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) começaram a fixar-se nas torres inacabadas, fazendo `puxadas` ilegais de luz, água e gás.

Tópicos:

Coletivo Consciência Negra, Câa Seixal, Gueto, Loures, Molotov, Vale,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um novo livro retoma o pensamento de Agostinho da Silva. O repórter da Antena 1 Mário Galego foi ao lançamento.

Samantha Power, ex-embaixadora de Barack Obama nas Nações Unidas, concedeu uma entrevista à RTP.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.