Morte de bebé. Bombeiros de Portalegre dizem ter prestado assistência imediata

por RTP
DR

Um bebé de oito dias morreu em Portalegre depois de não ter sido socorrido. Em esclarecimento à comunicação social, a Associação Nacional de Bombeiros e Agentes de Proteção Civil sublinha que os bombeiros assistiram prontamente o bebé depois de a VMER não estar disponível, tendo sido realizadas manobras de reanimação cardiorrespiratória.

Depois das notícias veiculadas sobre a morte de um bebé de oito dias em Portalegre por falta de socorro, os bombeiros explicaram que o mesmo foi prestado pela corporação de Portalegre, depois de se saber que a VMER (viatura médica de urgência e reanimação) do Hospital não estava operacional.

“Importa salientar que o que nesta situação se verificou foi a indisponibilidade do envio do meio diferenciado (VMER), o que não se verifica apenas nesta situação, mas em muitas outras, dado que a VMER poderá estar indisponível por diversos motivos”.

Os bombeiros afirmaram que esta é uma situação que acontece várias vezes e que é necessário dotar os elementos das ambulâncias de mais competências para prestar um serviço melhor às populações, deixando para trás um quadro de conhecimentos que se encontra ultrapassado.

“Só com um nível de educação superior em emergência médica pré-hospitalar poderemos minimizar estes acontecimentos trágicos que ocorrem, infelizmente com demasiada frequência, num modelo que se encontra esgotado, onde aqueles que são os primeiros a chegar operam com técnicas básicas, dada a formação básica de que são detentores, e assim competências básicas, muitas vezes insuficientes, quando estão em causa vidas”, conclui o comunicado.

Este esclarecimento vem no seguimento do pedido da Ordem dos Médicos para ser aberto um inquérito, já que se trata de uma situação “muito grave”. O Ministério Público anunciou também um inquérito para apurar as circunstâncias da morte do bebé de oito dias.
pub