Navio que estava encalhado em Lisboa já flutua

| País

O navio voltou a flutuar dez dias depois
|

O navio que estava encalhado há dez dias no Bugio, na foz do rio Tejo, à saída da barra de Lisboa, começou a flutuar às 2h30 desta sexta-feira, informou o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional (AMN).

"O rebocador começou, pela meia-noite, a aumentar de forma progressiva a tração, tendo arrastado o navio para uma zona mais profunda, ficando a flutuar pelas 2h30", explicou à Antena 1 o comandante Coelho Gil.

Segundo o mesmo, "um segundo rebocador mais pequeno irá passar durante o dia um segundo cabo para que o navio possa ser rebocado para atracar no cais do Beato".

O responsável, em declarações à jornalista Rita Fernandes, adiantou o que se prevê, para o futuro próximo do navio.


Expetativa pelo futuro
"O navio vai ter de ser inspecionado, para se saber como está a sua zona imersa. Se tiver danos, tem de ser reparado antes de prosseguir viagem. Caso contrário, pode retomar a viagem", acrescentou o porta-voz da AMN.

O "Betanzos", com dez tripulantes a bordo, encalhou na madrugada de dia 6 de março, cerca das 1h00, à saída da barra de Lisboa, após uma falha total de energia e da tentativa de fundear.

O navio estava encalhado perto do farol do Bugio, no forte de São Lourenço do Bugio, concelho de Oeiras, na foz do Rio Tejo, e transporta oito mil toneladas de areia com sílica, usada na indústria de porcelana e cerâmica.

A bordo do navio, que se deslocava para Casablanca, em Marrocos, estão 130 toneladas de combustível e 20 toneladas de resíduos oleosos. De acordo com o porta-voz da AMN, na ausência de danos estruturais, o risco de derrame é baixo.

No dia 8, como medida de precaução devido ao mau tempo, dez tripulantes e quatro elementos técnicos foram resgatados do navio pelo helicóptero da Força Aérea Portuguesa.


A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Em Cuba, os Castro passam o testemunho do poder, que mantiveram durante quase 60 anos.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.