Navio que estava encalhado em Lisboa já flutua

| País

O navio voltou a flutuar dez dias depois
|

O navio que estava encalhado há dez dias no Bugio, na foz do rio Tejo, à saída da barra de Lisboa, começou a flutuar às 2h30 desta sexta-feira, informou o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional (AMN).

"O rebocador começou, pela meia-noite, a aumentar de forma progressiva a tração, tendo arrastado o navio para uma zona mais profunda, ficando a flutuar pelas 2h30", explicou à Antena 1 o comandante Coelho Gil.

Segundo o mesmo, "um segundo rebocador mais pequeno irá passar durante o dia um segundo cabo para que o navio possa ser rebocado para atracar no cais do Beato".

O responsável, em declarações à jornalista Rita Fernandes, adiantou o que se prevê, para o futuro próximo do navio.


Expetativa pelo futuro
"O navio vai ter de ser inspecionado, para se saber como está a sua zona imersa. Se tiver danos, tem de ser reparado antes de prosseguir viagem. Caso contrário, pode retomar a viagem", acrescentou o porta-voz da AMN.

O "Betanzos", com dez tripulantes a bordo, encalhou na madrugada de dia 6 de março, cerca das 1h00, à saída da barra de Lisboa, após uma falha total de energia e da tentativa de fundear.

O navio estava encalhado perto do farol do Bugio, no forte de São Lourenço do Bugio, concelho de Oeiras, na foz do Rio Tejo, e transporta oito mil toneladas de areia com sílica, usada na indústria de porcelana e cerâmica.

A bordo do navio, que se deslocava para Casablanca, em Marrocos, estão 130 toneladas de combustível e 20 toneladas de resíduos oleosos. De acordo com o porta-voz da AMN, na ausência de danos estruturais, o risco de derrame é baixo.

No dia 8, como medida de precaução devido ao mau tempo, dez tripulantes e quatro elementos técnicos foram resgatados do navio pelo helicóptero da Força Aérea Portuguesa.


A informação mais vista

+ Em Foco

O ministro dos Negócios Estrangeiros considera, em entrevista à Antena 1, que Portugal tem a vantagem de não ter movimentos populistas organizados.

    Segundo um relatório da Amnistia Internacional, o número de mulheres vítimas de violência doméstica em Portugal continua elevado.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.