Oito escolas, com 12 projetos, venceram orçamento participativo de Viseu

| País

Intervenções relacionadas com a qualidade de vida e a solidariedade estão em destaque nos projetos vencedores do primeiro Orçamento Participativo Jovem Escolar de Viseu, hoje divulgados.

Oito escolas de Viseu venceram este orçamento participativo, com 12 projetos eleitos (de 62 em competição), que receberam 8.313 votos e terão um financiamento total do município de 254 mil euros.

O projeto mais votado, com 414 votos, intitula-se "Wireless para todos" e foi formulado pela Escola Profissional Mariana Seixas.

Com um apoio de 25 mil euros, o projeto insere-se na área das tecnologias, apostando na implementação e reforço da internet gratuita na Rua Direita e afins.

"OLHAR+ para quem cuida" conquistou o segundo lugar, com 387 votos e um orçamento de 25 mil euros. Trata-se de um projeto da Escola Superior de Saúde que visa o apoio formativo e informativo aos cuidadores de pessoas cuja situação de saúde as torna dependentes.

Em terceiro lugar, com 358 votos, ficou o projeto "Pequenos Grandes Sorrisos", do Centro Regional da Universidade Católica Portuguesa. Também com um apoio de 25 mil euros, trata-se de uma intervenção vocacionada para a promoção da saúde oral, que visa o tratamento dentário e a formação de crianças e jovens carenciados.

"Galeria de Rua", da Escola Profissional Mariana Seixas, "Qualidade de vida até ao final", do Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares, "Combate socioeducativo ao isolamento da pessoa idosa" & "Contra a Solidão Sénior" -- acompanhamento/visitas", formulado em simultâneo pela Escola Superior de Educação e pela Universidade Católica Portuguesa, ocuparam os lugares seguintes do ranking de vencedores.

Vão também contar com o financiamento da autarquia os projetos "O Desporto mora em Viseu", da Escola Superior de Educação, "Papa Chicletes e Eco-Pontas", uma ideia das escolas Superior de Tecnologia e Gestão e da Secundária Emídio Navarro, e "A máquina que transforma resíduos em dinheiro", da Escola Superior de Tecnologia e Gestão.

Os três últimos projetos vencedores foram a "instalação de um sistema de rádio e pontos de acesso WI-FI junto dos locais de máquinas de atividade física na ecopista do Dão" e a instituição de "paredes legais para graffiti", ambos da Escola Secundária Emídio Navarro, e "Bateria&Full", promovido pelas escolas Superior de Tecnologia e Gestão e Profitecla.

O presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, considerou que o facto de, no topo da lista, estarem intervenções voltadas para a qualidade de vida e a solidariedade representa "uma sensibilidade notável da comunidade escolar para os temas sociais, do bem-estar e do ambiente comunitário".

O autarca frisou "a importante semente de cidadania e participação democrática germinada na comunidade jovem e escolar do concelho".

"Aqui somos todos vencedores", afirmou, lembrando que "todas as escolas participaram com ideias e votos" e que "este é o aspeto mais construtivo da experiência".

O anúncio dos vencedores do primeiro Orçamento Participativo Jovem Escolar de Viseu acontece numa altura em que já estão executados todos os oito projetos vencedores dos anteriores orçamentos participativos municipais.

"Esta marca de eficácia é uma garantia e um fator de credibilidade do orçamento participativo municipal", sublinhou Almeida Henriques, avançando ser sua vontade reeditar o orçamento participativo municipal já no próximo ano, caso seja reeleito.

Tópicos:

Católica, Câa Viseu, Emídio Navarro, Interculturais,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A Alemanha foi a votos com uma economia próspera. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

      Com muito ou pouco orçamento, o mínimo que se exige é que as Forças Armadas saibam tomar conta de si.

      O ímpeto independentista ganhou força, motivado pela crise e pelas divergências em relação ao Estatuto da Autonomia da Catalunha.