Ordem dos Médicos alerta para a necessidade de melhorar funcionamento em rede dos hospitais

por Antena 1

Foto: António Antunes - RTP

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, fala de uma situação complicada em redor dos serviços hospitalares a sul do país e alerta para a necessidade de melhorar a gestão e a eficácia do chamado funcionamento em rede.

Para se ter uma noção do que se passa, por exemplo o hospital do litoral alentejano, em Santiago do Cacém, está com dificuldades no atendimento de doentes na urgência de cirurgia geral.

A partir do meio-dia, o centro de orientação de doentes urgentes começou a informar as corporações de bombeiros que este hospital está sem condições para receber mais pessoas na urgência de cirurgia geral.

O hospital de Santiago do Cacém junta-se assim aos outros hospitais do distrito de Setúbal que também estão a reencaminhar doentes de algumas especialidades para outras unidades.

O hospital de São Bernardo é um outro exemplo, que já tem a unidade de urgência pediátrica encerrada até à próxima segunda-feira por falta de médicos, dá agora conta de dificuldades noutras áreas.

O serviço de obstetrícia não vai receber doentes entre as nove da manhã e as 21h00 de amanhã.

O serviço de ortopedia e traumatologia do hospital de Setúbal também não recebe doentes até às oito da manhã de amanhã, sexta-feira.

Nos últimos dias, também os hospitais públicos Garcia de Orta, em Almada, e Nossa Senhora da Conceição, no Barreiro, anunciaram pedidos de reencaminhamento de doentes para outras unidades hospitalares, devido à falta de meios para responder à procura em várias áreas.

Para tentar responder ao aumento da procura nos serviços de urgência, em vários pontos do país, perto de 200 Centros de Saúde estão hoje a funcionar com horário alargado.

Ao início da tarde o governo anunciou um reforço dos cuidados primários que vai estender-se pelo fim-de-semana, mas André Biscaia da Associação Nacional das Unidades de Saúde Familiar dúvida da eficácia destas medidas.

pub