Partos sem pediatra em Portimão puseram "em risco a vida" de bebés - Sindicato

| País

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) do Algarve responsabilizou hoje a gestão do hospital de Faro por se terem realizado partos sem pediatras no hospital de Portimão, no sábado, pondo "em risco a vida de recém-nascidos".

O SIM manifestou a sua "enorme preocupação" por esses partos terem acontecido "sem que estivessem garantidas as condições mínimas para que tal sucedesse", porque foi necessário fazer uma cesariana e reanimar um recém-nascido sem a presença de um pediatra, denunciou.

"A ausência de pediatras no serviço de urgência e no hospital, teria levado a um desfecho fatal, não fosse a intervenção do anestesista que, perante uma situação crítica, procedeu à reanimação da criança, embora a sua obrigação fosse para com a mãe (anestesiada), sendo que a função de reanimar o recém-nascido, pela sua especificidade, compete ao pediatra", realçou o SIM do Algarve num comunicado.

A mesma fonte classificou como "lamentável" que se tenha posto "em risco a vida dos recém-nascidos, no hospital de Portimão, pela incapacidade e pela irresponsabilidade de quem gere o hospital".

"É de tal modo gritante essa inépcia, que o Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) recentemente apenas abriu concurso para um pediatra, quando necessita de 14", argumentou.

O SIM questionou-se sobre as razões "na origem desta poupança cega e insensata", perguntando-se se será pela "incompetência", e defendeu que a situação verificada em Portimão "demonstra o falhanço total quer do conselho de administração do CHUA, quer do conselho diretivo da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve".

O sindicato considerou que o CHUA e a ARS "não acautelarem de forma responsável, como lhes deve competir, as necessidades da região e dos algarvios", designadamente os do barlavento, servidos pelo hospital de Portimão e que, segundo o SIM, têm "direito a ter as condições adequadas para que os seus filhos nasçam com a mesma segurança relativamente a qualquer outra parte do país".

O caso da falta de pediatras no hospital de Portimão foi noticiado por vários órgãos de comunicação social nos últimos dias.

Ao Correio da Manhã e ao Observador, a administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) disse que se tratou de uma "situação imprevisível e excecional", reconheceu que os partos "não devem" ser realizados sem pediatras e lembrou a "carência" de pediatras no CHUA.

Tópicos:

Hospitalar Universitário, Portimão,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.