PCP quer que Câmara de Lisboa se pronuncie sobre o protesto dos taxistas

| País

O vereador do PCP na Câmara Municipal de Lisboa João Ferreira instou hoje o município a pronunciar-se sobre a manifestação de taxistas que está a decorrer desde quarta-feira, anunciando que deverá apresentar uma moção nesse sentido.

O vereador João Ferreira e o deputado comunista Bruno Dias juntaram-se hoje ao protesto que, segundo a organização, parou mais de 1.600 táxis em Lisboa, depois de o grupo parlamentar do PCP ter apresentado na Assembleia da República uma proposta para revogar a lei das plataformas eletrónicas.

Falando aos presentes na Praça dos Restauradores, na baixa da cidade, João Ferreira apontou que "a cidade, a Câmara Municipal de Lisboa e, já agora, o seu presidente, não se podem alhear da realidade".

"E é por isso que, mais uma vez, iremos, numa próxima oportunidade, levar este assunto à reunião da Câmara Municipal de Lisboa, propondo que a Câmara tome posição sobre esta situação, que não pode ignorar", salientou.

Aos profissionais, o eleito do PCP deixou palavras de "solidariedade, de respeito e de reconhecimento pela luta que estão a travar".

João Ferreira saudou também "a forma" como está a decorrer o protesto, que "todo o país está a ver, unidos, uma luta abnegada, empenhada que tem do seu lado a razão".

Na opinião do vereador comunista, há hoje "um amplo reconhecimento da injustiça que está criada com a aprovação daquela lei", mas, ressalvou, "às vezes reconhecer uma injustiça não chega para a resolver".

"O PCP fez o que lhe competia, transformou em proposta de lei as razões da vossa luta, a justeza da vossa luta", salientou, apontando que essa luta é que "terá de transformar em realidade o que, neste momento, é uma proposta".

À agência Lusa, o vereador esclareceu que os eleitos do PCP deverão levar uma moção sobre este tema à próxima reunião pública da Câmara de Lisboa, que decorre na quarta-feira.

A Federação Portuguesa do Táxi já tinha criticado o presidente da Câmara da capital por não ter tido a iniciativa de convocar os taxistas para uma reunião.

Hoje, Fernando Medina voltou a ser alvo das críticas dos profissionais deste setor.

"Infelizmente, o presidente da Câmara de Lisboa tem-nos abandonado", apontou Florêncio Almeida, da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), acrescentando que o socialista "tem deitado ao abandono a indústria do táxi da cidade de Lisboa".

"E nós somos parceiros económicos e sociais desta cidade, merecemos respeito desta vereação, que não a tem tido para com o setor", sublinhou o dirigente da ANTRAL.

Tomando a palavra, o deputado Bruno Dias, também do PCP, salientou "a unidade na ação e o exemplo que está a ser dado pelo setor do táxi nesta jornada".

Sobre a proposta do PCP para revogação da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte, o eleito considerou que é "um contributo concreto efetivo de quem se propõe fazer parte da solução".

Para o deputado, esta lei é "injusta, iníqua", classificando-a de uma "lei da selva, lei do mais forte".

Tópicos:

Bruno, Florêncio, Praça, Transportadores Rodoviários,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

      Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.

        Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.