Petição por limites aos eucaliptais recolhe mais de dez mil assinaturas

| País

“Portugal é o país do mundo com maior área de território ocupada por eucalipto”, sublinha-se no texto da petição pública eletrónica
|

Ao início da tarde desta terça-feira, mais de dez mil pessoas haviam já assinado uma petição pública eletrónica em defesa de limites à plantação de eucaliptos em território português, invocando conhecidos riscos de ignição de incêndios.

A Petição pela revogação da liberalização do eucalipto tem como primeiro subscritor Carlos Fragoeiro. Desde segunda-feira reuniu 10.500 signatários.

O texto destinado ao presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, defende, designadamente, “a revogação do decreto-Lei n.º 96/2013, de 15 de Julho, que implementou o novo regime de arborização que liberaliza a plantação em monocultura de eucalipto, deixando de ser necessário pedido de autorização prévia às autoridades florestais até dois hectares, e que tornou mais complexo e burocrático a florestações com espécies autóctones, como por exemplo sobreiro, carvalho, castanheiro, pinheiro bravo e manso e outras tantas”.

“Portugal é o país do mundo com maior área de território ocupada por eucalipto (cerca de 10% de todo o seu território), a que correspondem quase 30% de área florestal sendo este valor inclusivamente superior ao da Austrália, país de sua origem”, acrescenta a petição.

No texto lê-se também que “os dados apontam para a coincidência temporal entre o início da era do eucalipto com o início da intensificação dos fogos florestais, o que evidencia que nenhum dos vários governos deu até hoje a devida e necessária atenção às globalmente reconhecidas consequências da massificação desta espécie”, desde logo a “susceptibilidade para a ignição de incêndios de fulminante propagação e enorme intensidade”.

“Os bombeiros australianos sugestivamente alcunham a espécie por cá predominante (eucalyptus globulus), de gasoline tree (árvore da gasolina), tal o seu nível de combustão”, aponta-se no mesmo texto.
O processo
Uma vez admitidas na Assembleia da República pela respetiva comissão parlamentar, as petições são confiadas a um deputado, que fará em seguida as diligências consideradas adequadas.

Caso uma petição obtenha mais de mil assinaturas, os autores têm de ser ouvidos pelo Parlamento. A partir das quatro mil assinaturas, o tema é discutido em plenário.

c/ Lusa

Tópicos:

Assembleia da República, Eucaliptal, Eucaliptos, Incêndios, Petição, Portugal,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.