Polícia detém condutor de viatura em que seguia mulher baleada na Segunda Circular

| País

O condutor da viatura em que seguia a mulher baleada mortalmente hoje numa perseguição policial na Segunda Circular, em Lisboa, foi detido, depois de não ter respeitado uma ordem de paragem da PSP, disse à Lusa fonte policial.

O homem deverá ser ouvido pela Polícia Judiciária, que tomou conta da ocorrência, e os alegados assaltantes -- que seriam pelo menos dois -- não foram ainda identificados.

Segundo a fonte, os agentes policiais que ordenaram a paragem da viatura efetuaram disparos que acabaram por atingir a mulher, depois de o condutor que a acompanhava ter desobedecido.

Durante a perseguição policial, acrescentou, "houve troca de tiros" entre os alegados assaltantes e as várias equipas da PSP envolvidas, inclusive nas imediações do Aeroporto de Lisboa.

Fonte ligada à investigação disse à Lusa que, até ao momento, "não há nenhum elemento que ligue direta ou indiretamente" a vítima (sentada ao lado do condutor) aos alegados assaltantes, que se colocaram em fuga após fazerem explodir um ATM no concelho de Almada, no distrito de Setúbal.

A perseguição prolongou-se até Lisboa, terminando com a morte da vítima. Fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) informou haver registou da morte de uma mulher, baleada, e que o óbito foi declarado no local, próximo das bombas de combustível da Encarnação.

O alerta foi recebido às 03:45 pelo INEM, que acionou a viatura médica de emergência e reanimação do Hospital de São José e uma ambulância.

Segundo a edição `online` do Correio da Manhã, as autoridades "terão confundido este veículo com o que estava em fuga".

 

Tópicos:

Circular,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.