PR pede à população que não desmobilize e seja solidária com as vítimas

| País

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pediu hoje à população de Tondela que não desmobilize e seja solidária com as vítimas do incêndio numa associação recreativa que fez pelo menos oito mortos e 38 feridos.

Numa intervenção pública, junto a uma capela de Vila Nova da Rainha, onde se localiza a associação, Marcelo Rebelo de Sousa dirigiu-se à assistência onde se incluíam alguns familiares e amigos das vítimas, lembrando que a primeira solidariedade na sequência do incêndio foi da população local, que acorreu na tentativa de socorrer quem tentava fugir das chamas.

"O primeiro sinal de solidariedade foi vosso e continua a ser vosso e aquilo que vos peço é que não desmobilizem. Há famílias com dor, há famílias - e ainda não passaram 24 horas - que não percebem o que aconteceu e estão sob choque, são amigos e amigas vossos", disse o chefe de Estado.

"E esse é o vosso grande desafio, o desafio que têm de vencer, como têm estado a vencer o desafio de outubro", argumentou o Presidente da República, lembrando os incêndios florestais que afetaram a localidade e o concelho do distrito de Viseu em 15 de outubro.

"É outro desgosto, é outro choque, é outro drama a juntar à tragédia de outubro. Mas eu acredito na vossa força, na vossa resistência, que é do melhor que nós temos em Portugal", sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa.

Na ocasião, o chefe de Estado voltou a enaltecer o trabalho de "todas as instituições" que participaram nas operações de socorro às vítimas "e que fizeram mais do que era preciso fazer para que haja quem continue a lutar pela vida", voltando a expressar solidariedade às famílias das vítimas e lembrando que as próximas horas e dias "são ainda muito críticas" para os feridos internados em diversos hospitais.

"Uma coisa é certa, o país está aqui unido convosco. Está aqui o Governo, esteve ontem [sábado] e está hoje aqui o Governo, esteve ontem e está hoje aqui a Assembleia da República e está hoje o Presidente da República. Com os vossos autarcas, mas sobretudo convosco", enfatizou.

"É um sinal de que estamos todos juntos. Nesta hora de dor, a vossa dor é a nossa dor", acrescentou.

JLS/AMF // CSJ

Tópicos:

Viseu,

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.