PR promulga diploma que altera atribuição de títulos do domínio público hídrico

| País

O Presidente da República promulgou o diploma que altera o regime de atribuição de títulos de utilização do domínio público hídrico relativamente a situações existentes não tituladas, apesar de considerar o alcance da solução "tecnicamente abstrata".

"Embora se suscitem dúvidas sobre o alcance substancial e territorial de uma solução que, tecnicamente, é abstrata, atendendo a que se mantém o respeito dos planos de ordenamento da orla costeira e se verifica um amplíssimo consenso parlamentar", Marcelo Rebelo de Sousa promulgou o diploma da Assembleia da República que procede à sétima alteração ao Decreto-Lei n.º 226-A/2007, de 31 de Maio, refere uma nota publicada no 'site' da Presidência da República.

Em 19 de Janeiro, o parlamento aprovou, em votação final global, a lei que altera o regime de utilização dos recursos hídricos e permitirá legalizar casas em núcleos residenciais piscatórios na ilha da Culatra, em Faro.

Na hora da votação, apenas o deputado do partido Pessoas-Animais-Natureza se absteve, e as restantes bancadas votaram a favor.

O processo legislativo começou com a aprovação, em Conselho de Ministros, em 28 de Setembro, de um diploma que "permitirá a regularização de situações de ocupação do domínio público hídrico sem o devido título de utilização".

Menos de um mês depois, a 20 de Outubro, o parlamento aprovou, por unanimidade e na generalidade, este diploma.

Na discussão na especialidade foram feitas pequenas alterações, permitindo a legalização de casas de primeira habitação não só das pessoas ligadas à comunidade piscatória, mas também quem presta "serviço à comunidade".

Segundo o Governo, a partir de agora poderá haver um "tratamento adequado de situações para as quais as regras vigentes se manifestavam desadequadas".

Na proposta de lei, o Governo aponta como "caso paradigmático" o núcleo da Culatra, na ilha com o mesmo nome do sistema lagunar da Ria Formosa (Algarve), que "constitui um aglomerado piscatório com raízes históricas e com evidências claras de uma ocupação antiga e que detém um estatuto social, económico e cultural merecedor de reconhecimento e valorização".

Com esta alteração, são criadas "as condições que permitem a legalização das referidas ocupações dentro dos limites estabelecidos no plano de ordenamento da orla costeira em vigor para a área", dispensando-se a realização de procedimento concursal para a escolha do utilizador e permitindo-se "a renovação dos títulos de utilização por um período máximo de 30 anos" ao conjunto dos títulos emitidos.

Com as novas regras será possível concretizar o Projeto de Intervenção e Requalificação (PIR) da Culatra, já homologado, e que envolve um investimento de cerca de 1,5 milhões de euros.

Este PIR, elaborado pela Sociedade Polis Litoral Ria Formosa e que foi aprovado em março, estava previsto no Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) desde 2005.

Na mesma nota disponível no sítio na Internet informa-se que Marcelo Rebelo de Sousa promulgou também o diploma da Assembleia da República que aprova o regime jurídico da conversão de créditos em capital.

Tópicos:

Culatra, Ordenamento Orla Costeira POOC, Ria Formosa Algarve,

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.