Prisão preventiva para mais um arguido suspeito de envolvimento nos incidentes de Alcochete

| País

O juiz de Instrução Criminal do Tribunal do Barreiro confirmou hoje a medida de coação de prisão preventiva para um dos nove detidos na segunda-feira por alegado envolvimento nos incidentes de 15 de maio em Alcochete.

O arguido, que não compareceu perante o tribunal dentro do prazo legal de 48 horas após a detenção por motivos de saúde, só hoje foi presente ao juiz de Instrução Criminal, que lhe decretou a medida de coação de prisão preventiva, tal como aconteceu com os outros oito arguidos que foram presentes a primeiro interrogatório judicial na quarta-feira.

No âmbito do processo de investigação iniciado após a invasão da academia e das agressões a diversos jogadores do Sporting, já foram efetuadas 36 detenções pela PSP e GNR, sendo que todos os detidos ficaram a aguardar julgamento em prisão preventiva. Foram ainda identificados e constituídos arguidos mais três indivíduos, que estão sujeitos à medida de coação menos grave, de Termo de Identidade e Residência.

No dia 15 de maio passado, a equipa de futebol do Sporting foi atacada na Academia do clube por um grupo de cerca de 40 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos, jogadores e `staff`.

Na altura, a GNR deteve 23 dos atacantes, que permanecem em prisão preventiva.

No dia 05 de junho, foram detidas pelas autoridades mais quatro pessoas, entre elas antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes, que também ficaram em prisão preventiva.

Os 36 detidos que aguardam julgamento em prisão preventiva vão responder pela prática de crimes de terrorismo, ofensa à integridade física qualificada, ameaça agravada, sequestro e dano com violência.

Tópicos:

Juventude Leonina, Termo Identidade,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.