Procedimentos administrativos lideram reclamações de utentes de saúde

| País

A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) recebeu 32.562 reclamações de utentes no primeiro semestre deste ano, com os procedimentos administrativos a reunirem 20,3% das ocorrências.

Segundo um relatório da ERS relativo ao sistema de gestão de reclamações nos primeiros seis meses de 2017, 70,5% das queixas foram dirigidas a prestadores do setor público.

No mesmo período de 2016, chegaram à ERS 29.014 reclamações, dos quais 71,4% dirigidas a prestadores do setor público.

Já este ano, a seguir aos procedimentos administrativos, que incidiram particularmente sobre "a qualidade da informação institucional disponibilizada", os tempos de espera merecem o maior número de reclamações.

Neste capítulo, predomina "o tempo de espera para atendimento clínico não programado superior a uma hora".

Em terceiro lugar ficou a "focalização no utente", ou seja, "as questões relacionadas com delicadeza/urbanidade do pessoal clínico".

Segundo o documento, o setor público reuniu também a maioria (54,7%) dos 4.165 elogios submetidos à ERS.

"A maioria dos elogios foi dirigida ao funcionamento dos serviços clínicos das instituições, com 29,3% de ocorrências em 45,4% dos louvores, seguindo-se os louvores ao pessoal clínico", lê-se no documento.

Em matéria de sugestões, chegaram à ERS 555 processos, dos quais 64% referentes a estabelecimentos do setor público.

"A maioria das sugestões foi dirigida à qualidade das instalações, com 28,2% de ocorrências em 31,5% dos processos", prossegue o texto do relatório.

Tópicos:

ERS,

A informação mais vista

+ Em Foco

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

      Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.