Procedimentos administrativos lideram reclamações de utentes de saúde

| País

A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) recebeu 32.562 reclamações de utentes no primeiro semestre deste ano, com os procedimentos administrativos a reunirem 20,3% das ocorrências.

Segundo um relatório da ERS relativo ao sistema de gestão de reclamações nos primeiros seis meses de 2017, 70,5% das queixas foram dirigidas a prestadores do setor público.

No mesmo período de 2016, chegaram à ERS 29.014 reclamações, dos quais 71,4% dirigidas a prestadores do setor público.

Já este ano, a seguir aos procedimentos administrativos, que incidiram particularmente sobre "a qualidade da informação institucional disponibilizada", os tempos de espera merecem o maior número de reclamações.

Neste capítulo, predomina "o tempo de espera para atendimento clínico não programado superior a uma hora".

Em terceiro lugar ficou a "focalização no utente", ou seja, "as questões relacionadas com delicadeza/urbanidade do pessoal clínico".

Segundo o documento, o setor público reuniu também a maioria (54,7%) dos 4.165 elogios submetidos à ERS.

"A maioria dos elogios foi dirigida ao funcionamento dos serviços clínicos das instituições, com 29,3% de ocorrências em 45,4% dos louvores, seguindo-se os louvores ao pessoal clínico", lê-se no documento.

Em matéria de sugestões, chegaram à ERS 555 processos, dos quais 64% referentes a estabelecimentos do setor público.

"A maioria das sugestões foi dirigida à qualidade das instalações, com 28,2% de ocorrências em 31,5% dos processos", prossegue o texto do relatório.

Tópicos:

ERS,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.