Segurança Social apoiou 389 famílias afetadas pelos incêndios

| País

Mais de quatro mil trabalhadores estão isentos do pagamento de contribuições à Segurança Social até 20 de junho de 2018
|

Mais de 232 mil euros foram subsidiados pela Segurança Social a 389 famílias afetadas pelos incêndios de 2017. A Segurança Social atendeu mais de nove mil pessoas durante as tragédias.

Em comunicado, o Instituto de Segurança Social (ISS) dá a conhecer que apoiou 389 famílias “com carência económica, conjuntural, ou não”, que representam um total de 916 beneficiários.

Os subsídios destinam-se ao apoio nos “pagamentos mais prementes” como medicamentos, rendas e faturas de eletricidade, gás e água.

O ISS acrescenta que mais de quatro mil trabalhadores estão isentos, total ou parcialmente, do pagamento de contribuições à Segurança Social até 20 de junho de 2018. Foram deferidos 713 processos, o que corresponde a um total de cinco milhões de euros isentos até à data.

Foram ainda empregues reembolsos relativos às despesas de funerais e subsídios por morte a 80 das 96 vítimas mortais, numa despesa que ultrapassa os 107 mil euros.

A pensão de sobrevivência atribuída aos familiares de 41 vítimas totalizou uma despesa no valor de mais de 11 mil euros.

Relativamente ao setor agrícola, foram pagos 4,7 milhões de euros a mais de sete mil agricultores.

Mais de nove mil receberam apoio
Há um ano o país enfrentava aquela que ficou conhecida como a pior tragédia de incêndios em Portugal. No terreno estiveram técnicos da Segurança Social.

O ISS diz ter existido uma “boa capacidade de comunicação e pronta intervenção, na disponibilização dos meios necessários para garantir a proteção e satisfação das necessidades imediatas das populações afetadas e identificadas”.

Foram disponibilizados 92 locais de acolhimento, onde foram recebidas 4078 pessoas.

A Segurança Social auxiliou mais de nove mil pessoas afetadas pelos incêndios, através de visitas aos locais de acolhimento e de chamadas telefónicas periódicas. Este apoio “contribuiu para a consolidação daquilo que são as responsabilidades do ISS”, escrevem no comunicado.

Do total de pessoas auxiliadas pelo ISS, destacam-se as mais de seis mil que receberam apoio por parte das Unidades Móveis que se deslocaram às zonas afetadas pelos incêndios para auxiliar as vítimas com mais dificuldades.

Foram ainda registados mais de 519 atendimentos através da Linha Nacional de Emergência Social, reforçada durante os incêndios.

O incêndio de 2017 na zona de Pedrógão Grande causou 66 mortos e mais de 250 feridos. Quatro meses depois, em outubro, os incêndios nas regiões centro e norte registaram 50 vítimas.

No total, morreram 116 pessoas e arderam cerca de 500 mil hectares de floresta. Mais de duas mil habitações, empresas e campos agrícolas foram consumidos pelas chamas.

Tópicos:

Incêndios, Segurança Social,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.