Sete dos 58 detidos já foram ouvidos mas não prestaram declarações

| País

Sete dos 58 arguidos do grupo de motociclistas Hells Angels já foram ouvidos pela juíza do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, mas não prestaram declarações sobre os factos que lhes são imputados pela acusação.

Segundo o advogado Paulo Freitas, que defende um arguido de Loulé, o interrogatório aos sete detidos terminou pelas 17:30, faltando outros 13 dos 20 previstos para hoje.

À saída do tribunal, o advogado disse aos jornalistas que a diligência de hoje está prevista terminar pelas 20:00, recomeçando no sábado às 09:00 com a inquirição de mais 28 arguidos.

A juíza Maria Antónia Andrade decidiu dividir o primeiro interrogatório judicial por três dias, estando previsto que no sábado comece as 09:00 e termine às 20:00 para recomeçar no domingo novamente às 09:00.

Maria Antónia Andrade decidiu dividir em grupos de cerca de 20 os arguidos detidos que vão ser ouvidos durante os três dias, após a identificação dos 58 elementos, que terminou pelas 07:00 de hoje.

Segundo fonte da defesa, poucos são os arguidos que vão prestar declarações sobre os factos de que estão indiciados, nomeadamente associação criminosa, tentativa de homicídio, roubo, ofensa à integridade física e tráfico de droga.

Um dos advogados presentes nas diligências disse aos jornalistas que o processo é composto por mais de quatro mil páginas.

Um 59.º elemento encontra-se detido na Alemanha.

A investigação do caso Hells Angels foi elaborada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal e pela Unidade Nacional Contra-terrorismo da Polícia Judiciária e os mandados de busca e de detenção foram executados na quarta-feira.

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.