Suspeito de atingir agente da PSP a tiro no Montijo sujeito a apresentações periódicas

| País

Um homem de 47 anos, suspeito de ter atingido um agente da PSP na sexta-feira, no Montijo, ficou sujeito a apresentações periódicas, anunciou hoje a Polícia Judiciária (PJ).

"O detido, com antecedentes criminais por diversos tipos de crimes, foi sujeito a primeiro interrogatório judicial, tendo-lhe sido decretada a medida de coação de apresentações periódicas", refere a PJ em comunicado.

O homem foi detido por indícios da prática do crime de homicídio qualificado, na forma tentada, num caso que ocorreu na tarde de sexta-feira, no Bairro do Esteval, no concelho do Montijo, distrito de Setúbal.

"Quando a vítima, elemento das forças de segurança, na sequência do furto do seu motociclo, se deslocou a casa do suspeito, o qual, na sequência de uma troca de palavras entre ambos e já com a vítima no exterior do prédio, veio a efetuar dois disparos de arma caçadeira, um dos quais a atingiu na cabeça, tronco e membros inferiores, obrigando-a a receber assistência hospitalar", acrescenta.

A PJ salienta que o suspeito autor dos disparos procurou esconder a arma utilizada e os cartuchos deflagrados, que foram recuperados pelas autoridades, e que se colocou em fuga, sendo depois detido pela PSP.

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.