Taxas moderadoras impediram 2,7 milhões de atos médicos

| País
Taxas moderadoras impediram 2,7 milhões de atos médicos

Foto: Estela Silva - Lusa

Cerca de 11 por cento dos utentes deixaram de ir às urgências por falta de dinheiro. Um estudo da Universidade Nova de Lisboa mostra que o preço dos medicamentos e as taxas moderadoras, entre outros fatores, obrigaram os portugueses a cortar na saúde.

O estudo revela também que quatro por cento não fizeram exames de diagnóstico e mais de três por cento perderam consultas de especialidade nos hospitais públicos.

Ouvido pela agência Lusa, o autor do estudo, Pedro Simões Coelho, admite que os valores são elevados, mas constata que tem existido uma evolução positiva.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Grécia agradeceu a Portugal a solidariedade do país pela disponibilidade de receber mil migrantes e refugiados, atualmente alojados em condições precárias naquele país.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.