Universidade da Beira Interior volta a premiar integração responsável dos caloiros

| País

A Universidade da Beira Interior (UBI) anunciou hoje que voltará a premiar os núcleos de estudantes que promovam as melhores ações de integração responsável dos caloiros com base no convívio, diversão, interconhecimento e cooperação com a sociedade.

Em nota de imprensa e sempre sem referir a palavra "praxe", que não é permitida dentro das instalações da instituição, a UBI explica que a iniciativa decorre pelo segundo ano consecutivo e que tem como base um concurso em que são atribuídos três prémios monetários.

O núcleo vencedor ganha 750 euros, o segundo classificado 500 euros e o terceiro 250 euros.

O "Integro" desafia os núcleos dos cursos de licenciatura e mestrado integrado a apresentarem propostas de atividades que cumpram três objetivos: promoção de uma vivência plena do ensino superior enquanto espaço inclusivo, de liberdade, conhecimento e relacionamento saudável com os outros; dar a conhecer a universidade e a cidade aos novos alunos através dos núcleos; e o desenvolvimento da criatividade e sensibilização dos estudantes para o papel da solidariedade, promovendo a integração social, aponta a nota desta instituição de ensino superior sediada na Covilhã, distrito de Castelo Branco.

Segundo a nota, o Integro será organizado pela reitoria em colaboração com a associação académica.

As candidaturas devem ser remetidas até dia 22 e as ações a desenvolver serão avaliadas pelo envolvimento do número de novos alunos (um mínimo de 50 por cento de cada curso), pela relevância, originalidade, aplicação da ideia, responsabilidade social e solidariedade e, ainda, pelo nível de envolvimento dos proponentes na concretização do projeto.

A classificação final da atividade pelo júri será feita através da análise de um vídeo, com o máximo de 180 segundos, que os participantes deverão disponibilizar através do Youtube até dia 11 de outubro e no qual se apresente uma síntese do desenvolvimento do respetivo projeto e os trabalhos levados a efeito no decurso do mesmo.

Tópicos:

Beira,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.