CDS-PP sem "calendário de fecho" para reforma da justiça critica "desculpas" do PS

| Política

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, disse hoje que não tem um "calendário de fecho" para o processo legislativo na área da justiça, e criticou as "desculpas" do PS para recusar liminarmente uma revisão constitucional.

"Quando o partido que é essencial para esses dois terços [de deputados, necessários para a aprovação de alterações à Constituição da República] diz logo em 24 horas que não tem nenhuma disponibilidade para alterações profundas na área da justiça que impliquem uma revisão constitucional, aquilo que podemos fazer é o nosso trabalho de casa e depois apresentá-lo", disse.

A deputada, que falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Museu da Farmácia, em Lisboa, assinalou que para o PS "nunca é o momento certo" e que "agora a desculpa é que estamos no final da legislatura".

"Se calhar na próxima legislatura a desculpa é que estamos no início", criticou, reafirmando que para o CDS-PP a Justiça continuará ser uma "prioridade".

Questionada pelos jornalistas, Assunção Cristas recusou que a ideia de adiar a abertura do processo de revisão constitucional tenha surgido na sequência da audiência com o Presidente da República, realizada na quinta-feira.

A líder do CDS-PP frisou que o pedido de audiência ao Presidente da República se deveu ao facto de uma das ideias do partido para uma revisão da Constituição da República é "reforçar os poderes do Presidente da República nesta área".

Uma das propostas do CDS-PP apresentada em 2010 previa o reforço dos poderes do Presidente da República na área da Justiça, como por exemplo a criação do Conselho Superior do Poder Judicial, presidido por nomeação do Presidente da República.

Quanto à resposta formal do grupo parlamentar do PSD à proposta do CDS-PP para perceber a disponibilidade das restantes bancadas para a abertura do processo, Assunção Cristas registou que os sociais-democratas têm interesse na reforma da justiça e que admitem uma revisão constitucional mas que, para já, "estão a trabalhar do lado deles".

Questionada sobre se pretende avançar com o processo legislativo na área da Justiça e para rever a Constituição ainda na presente legislatura, a deputada centrista disse que não tem "um calendário de fecho desse trabalho" e que vai "depender do ritmo" de um "fórum da Justiça" que irá reunir centristas e independentes.

"Nós vamos querer que tenha uma grande abrangência, com sessões públicas para convocar os atores judiciários, envolver o mais possível as pessoas que estão interessadas nesta matéria e, portanto, não tenho uma data para o fecho dos trabalhos mas o nosso trabalho é consequente", disse Assunção Cristas.

 

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.