Comissão às rendas da energia aprova audição de 100 personalidades, Costa incluído

| Política

Lisboa, 14 jun - A comissão parlamentar de inquérito às rendas da energia aprovou hoje, por unanimidade, todos os requerimentos dos partidos para audições, chamando assim 100 personalidades, entre as quais todos os primeiros-ministros entre 2004 e 2018, incluindo António Costa.

"Acabámos de aprovar, por unanimidade, a audição de 100 individualidades e mais 17 entidades. Destas entidades há seis cujos nomes dos presidentes constam das 100 individualidades", disse a deputada do PSD Maria das Mercês Borges, a presidente da comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores elétricos.

O PSD tinha sido o único partido a requer a audição do chefe do atual Governo, António Costa, uma vez que chamou todos os "todos os primeiros-ministros que exerceram funções no período objeto desta comissão", que foi fixado entre 2004 e 2018.

O BE - partido que propôs a comissão - requereu apenas a audição dos antigos primeiros-ministros Durão Barroso, Pedro Santana Lopes, José Sócrates e Pedro Passos Coelho.

Entre o lote de personalidades a ouvir está o ex-ministro da Economia Manuel Pinho, o presidente da EDP, António Mexia, e o ex-presidente do BES Ricardo Salgado.

Do atual executivo serão ouvidos o ministro das Finanças, Mário Centeno, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches.

Tópicos:

BES, Durão Barroso Santana, EDP, Mercês,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

        Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.