Cristas desafia o PSD a rever posição quanto ao financiamento dos partidos

| Política

A presidente do CDS, Assunção Cristas, disse hoje esperar que o PSD possa rever a sua posição quanto à Lei do financiamento dos partidos.

Em dia de escolha do novo líder do PSD, seu anterior parceiro de coligação, a líder centrista voltou a criticar "a negociação feita à porta fechada" sobre o financiamento partidário, e desafiou o PSD a rever a sua posição em relação ao limite do financiamento privado.

Assunção Cristas lamentou que António Costa não lhe tenha dado resposta quando o interpelou no parlamento sobre o assunto e hoje venha dizer que a sua posição é de que a solução é para manter.

"Quando olhamos para negociações que se fazem à porta fechada sobre o financiamento dos partidos e para um primeiro-ministro que, no debate quinzenal me responde que ali não é secretário-geral do PS e nada tem a dizer sobre o assunto, hoje mesmo, agora inequivocamente como líder do seu partido, vem dizer que a sua posição é manter (a proposta de revisão da Lei).

Para Cristas, mais não é do que consagrar "um estatuto de benefício para partidos, que a reboque de um processo para dar resposta ao Tribunal Constitucional, visa resolver um problema do PS em relação ao IVA e satisfazer um certo interesses do PCP e do PSD.

"Esperemos que possa rever a sua posição, em relação ao teto do financiamento privado dos partidos", disse, referindo-se ao PSD.

A líder do CDS sublinhou que o partido "sempre teve a mesma posição e foi firme do princípio ao fim, mesmo quando foi pressionado às portas do Natal para haver unanimidade na aprovação da Lei (do financiamento dos partidos) e que seria vetada pelo Presidente da República.

Prosseguindo nas críticas ao "governo das esquerdas unidas" e ao primeiro-ministro, Cristas lamentou que António Costa, quando interpelado sobre o número de novas unidades de saúde familiar abertas em 2017, "tenha faltado à verdade", talvez mal informado, porque "não foram 23 como disse e depois não tenha corrigido a afirmação".

"A Saúde tem sido pouco prioritária, ao nível dos meios alocados, apesar do discurso do governo", acusou.

Mais incisiva foi ainda ao referir-se "ao acordo assinado pelo primeiro-ministro no encontro dos países da Europa do Sul, para haver listas transnacionais ao Parlamento Europeu, sem nenhum debate", concluindo ser mais um exemplo "da ligeireza do primeiro-ministro" e questionando: "a quem serve o acordo? Certamente aos países de maiores dimensões e não é a Portugal", que tem um número diminuto de eurodeputados.

Aproveitou ainda para reprovar a "péssima ideia" de alocar dinheiro da Santa Casa da Misericórdia para o Montepio Geral, sublinhando o risco de tal operação, eventualmente com o dinheiro destinado a quem mais precisa.

"Estaremos no Parlamento a querer saber Tim-tim por Tim-tim a perguntar e a inquirir, porque anão aceitamos que se vá dizendo que está tudo em aberto e tenhamos a sensação de que tudo se vai fechando, colocando num banco o dinheiro dos pobres", advertiu.

MSO // ZO

Tópicos:

Albergaria, Montepio,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.