Governo da Madeira afirma que "jamais" se reunirá com António Costa no Palácio de São Lourenço

| Política

|

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou hoje que "jamais" se reunirá com o primeiro-ministro no Palácio de São Lourenço, antiga residência dos governadores-gerais, atualmente utilizado pelo representante da República.

"Não há nenhuma reunião no Palácio de São Lourenço. O Governo Regional da Madeira jamais reunirá no Palácio de São Lourenço", disse o chefe do executivo, referindo-se à hipótese avançada pela imprensa regional, segundo a qual o primeiro-ministro, António Costa, visitará a Madeira no dia 21 de maio.

António Costa deverá participar no Dia do Empresário Madeirense, no âmbito de um encontro organizado pela Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF), responsável pelo convite.

"Nós sugerimos vários locais da região (para uma reunião com o primeiro-ministro). Ou na sede do governo (regional), como deve ser. Ou noutro local que nós apontámos. Isto é uma questão de princípio e nós daqui não saímos", sublinhou Miguel Albuquerque, em declarações aos jornalistas no Funchal.

O presidente do Governo Regional explicou, ainda, que a visita de António Costa à Madeira "está a ser tratada da maneira que deve ser tratada".

"Agora, há uma coisa que eu vou dizer e é apenas isso que eu tenho para dizer: o tempo dos governadores-civis já acabou", adiantou Miguel Albuquerque, realçando que a Madeira tem órgãos de governo próprio e autonomia política há 42 anos, condições que constam da Constituição da República e do Estatuto Político-Administrativo da região.

Tópicos:

Lourenço Funchal, Madeirense,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Estado de Kerala, na Índia, está a enfrentar as piores cheias do último século. As chuvas torrenciais fizeram 350 mortos e deixaram cerca de 350 mil pessoas desalojadas.

    Os depósitos foram descobertos nas regiões polares. Se houver gelo suficiente na superfície, a água poderá ser utilizada em futuras missões ao satélite natural.

    Ocupou durante 60 anos vários cargos nas Nações Unidas e viria a deixar a sua marca na história da organização. Kofi Annan morreu em Berna aos 80 anos.

    Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.