Governo da Madeira afirma que "jamais" se reunirá com António Costa no Palácio de São Lourenço

| Política

|

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou hoje que "jamais" se reunirá com o primeiro-ministro no Palácio de São Lourenço, antiga residência dos governadores-gerais, atualmente utilizado pelo representante da República.

"Não há nenhuma reunião no Palácio de São Lourenço. O Governo Regional da Madeira jamais reunirá no Palácio de São Lourenço", disse o chefe do executivo, referindo-se à hipótese avançada pela imprensa regional, segundo a qual o primeiro-ministro, António Costa, visitará a Madeira no dia 21 de maio.

António Costa deverá participar no Dia do Empresário Madeirense, no âmbito de um encontro organizado pela Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF), responsável pelo convite.

"Nós sugerimos vários locais da região (para uma reunião com o primeiro-ministro). Ou na sede do governo (regional), como deve ser. Ou noutro local que nós apontámos. Isto é uma questão de princípio e nós daqui não saímos", sublinhou Miguel Albuquerque, em declarações aos jornalistas no Funchal.

O presidente do Governo Regional explicou, ainda, que a visita de António Costa à Madeira "está a ser tratada da maneira que deve ser tratada".

"Agora, há uma coisa que eu vou dizer e é apenas isso que eu tenho para dizer: o tempo dos governadores-civis já acabou", adiantou Miguel Albuquerque, realçando que a Madeira tem órgãos de governo próprio e autonomia política há 42 anos, condições que constam da Constituição da República e do Estatuto Político-Administrativo da região.

Tópicos:

Lourenço Funchal, Madeirense,

A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.