Governo da Madeira afirma que "jamais" se reunirá com António Costa no Palácio de São Lourenço

| Política

|

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou hoje que "jamais" se reunirá com o primeiro-ministro no Palácio de São Lourenço, antiga residência dos governadores-gerais, atualmente utilizado pelo representante da República.

"Não há nenhuma reunião no Palácio de São Lourenço. O Governo Regional da Madeira jamais reunirá no Palácio de São Lourenço", disse o chefe do executivo, referindo-se à hipótese avançada pela imprensa regional, segundo a qual o primeiro-ministro, António Costa, visitará a Madeira no dia 21 de maio.

António Costa deverá participar no Dia do Empresário Madeirense, no âmbito de um encontro organizado pela Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF), responsável pelo convite.

"Nós sugerimos vários locais da região (para uma reunião com o primeiro-ministro). Ou na sede do governo (regional), como deve ser. Ou noutro local que nós apontámos. Isto é uma questão de princípio e nós daqui não saímos", sublinhou Miguel Albuquerque, em declarações aos jornalistas no Funchal.

O presidente do Governo Regional explicou, ainda, que a visita de António Costa à Madeira "está a ser tratada da maneira que deve ser tratada".

"Agora, há uma coisa que eu vou dizer e é apenas isso que eu tenho para dizer: o tempo dos governadores-civis já acabou", adiantou Miguel Albuquerque, realçando que a Madeira tem órgãos de governo próprio e autonomia política há 42 anos, condições que constam da Constituição da República e do Estatuto Político-Administrativo da região.

Tópicos:

Lourenço Funchal, Madeirense,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.