Jerónimo antevê PS encostado à direita contra direitos laborais

| Política

O secretário-geral do PCP previu hoje que se o PS votar novamente "encostado à direita" contra reversões na legislação laboral, na quarta-feira, a consequência política a tirar é que o partido do Governo se "encosta à direita".

"As consequências [políticas], da parte do PCP, são demonstrar que o PS, no meio das suas contradições - apesar de ter dado uma contribuição e acompanhado o PCP para que existam avanços, reposição e conquista de direitos -, em matérias de fundo, encosta à direita. Não pode ser silenciado. Não estamos a fazer uma ameaça, mas apenas a constatar uma realidade", disse.

Jerónimo de Sousa falava aos jornalistas, após reunião com representantes da Fiequimetal (Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Elétricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas), no parlamento.

Os comunistas agendaram um debate sobre um conjunto de novas alterações nas leis laborais face às introduzidas pelo Governo PSD/CDS-PP a fim de repor direitos aos trabalhadores em relação a patrões, havendo também iniciativas de BE, PEV e PAN no mesmo sentido.

Tópicos:

Fiequimetal Intersindical Indústrias Metalúrgicas Químicas Elétricas Farmacêutica Celulose,

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.