Minoria do PS diz que Governo não pode ser só "negativo fotográfico" de Passos

| Política

O líder da corrente minoritária socialista, Daniel Adrião, afirmou hoje que o atual Governo não pode limitar-se a repor rendimentos e a ser o "negativo fotográfico" do executivo de Passos Coelho, devendo antes ter uma visão estratégica.

Esta posição foi defendida pelo dirigente socialista de Alcobaça na reunião da Comissão Política Nacional do PS, que durou cerca de três horas, numa intervenção à qual a agência teve acesso.

"Julgo que o Governo não pode esgotar a sua ação exclusivamente na lógica da reposição daquilo que o Governo anterior tirou. Não pode agir como se fosse apenas o negativo fotográfico do governo anterior. O Governo deve ter uma visão estratégica, uma ambição de médio e longo prazo", sustentou.

Noutro ponto da sua intervenção, Daniel Adrião congratulou-se com a realização da Web Summit na semana passada em Lisboa, mas deixou algumas questões sobre o real impacto deste evento na economia portuguesa.

"Não há dúvida que se trata de um importante evento, que contribui para a promoção internacional do país e é nesse sentido um excelente veículo de marketing e que tem um impacto indiscutivelmente positivo no turismo. Mas qual o montante do investimento direto estrangeiro captado em resultado do WebSummit?", questionou.

Daniel Adrião perguntou ainda "em que medida é que a WebSummit contribuiu (ou se perspetiva que venha a contribuir) ao fim de duas edições para a mudança do perfil estrutural da economia portuguesa e para a mudança do paradigma económico do país".

Tópicos:

WebSummit, WebSummit?,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.