Parlamento vai ouvir Governo e Santa Casa sobre Montepio

| Política

A decisão foi unânime, segundo o CDS-PP
|

Os deputados que integram a comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social aprovaram esta quarta-feira as audições, com caráter de urgência, do ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, e do provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Edmundo Martinho. Em causa está a eventual entrada desta instituição no capital do Montepio.

O pedido partiu do CDS-PP, que se propõe obter “todos os esclarecimentos sobre os contornos que envolvem a hipótese de a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa entrar no capital do Montepio Geral”.

Em declarações à agência Lusa, o deputado do CDS-PP António Carlos Monteiro afirmou que as audições de Vieira da Silva e Edmundo Martinho foram aprovadas “por unanimidade”. Cabe agora ao presidente da comissão parlamentar contactar ministro e provedor tendo em vista o agendamento.Ainda não há data para as audições agora aprovadas.

Os democratas-cristãos querem ver esclarecido, em concreto, qual o valor da operação, a participação a adquirir e se foi realizado um estudo de avaliação. Pretendem também saber de que gabinete partiu da ideia.

Segundo a imprensa, a Santa Casa da Misericórdia poderia entrar com 200 milhões de euros, tendo como contrapartida uma participação de dez por cento na Caixa Económica Montepio Geral. O que representaria uma valorização do banco em cerca de dois mil milhões de euros.

Recorde-se que a Associação Mutualista Montepio Geral, até agora a única acionista da Caixa Económica – em processo de alteração de estatutos e da própria gestão -, anunciou a entrada de Nuno Mota Pinto para a presidência do banco, ainda assegurada por Félix Morgado.

Tópicos:

Audições, Banco, Caixa Económica, Comissão, Lisboa, Ministro, Misericórdia, Montepio, Parlamento, Provedor, Santa Casa, Segurança Social,

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.