Passos diz que BE e PCP "rosnam mas não mordem" ao Governo

| Política
Passos diz que BE e PCP rosnam mas não mordem ao Governo

Foto: António Cotrim - Lusa

O presidente do PSD disse segunda-feira que o PCP e o BE "rosnam mas não mordem" ao Governo socialista e não o derrubam mesmo que este faça o contrário do que defende a esquerda.

Intervindo numa conferência na Faculdade de Economia de Coimbra, Pedro Passos Coelho deu o exemplo das posições assumidas pelos partidos de esquerda em Portugal aquando da crise grega, lembrando que BE e PCP defendiam que o Governo português batesse o pé aos financiadores externos e tivesse o "mesmo procedimento" do Governo grego, mas que hoje a Grécia "foi apagada dos discursos" de comunistas e bloquistas, depois de ter sofrido uma destruição económica "sem precedentes".

"O exemplo do que se passou na Grécia, em que as pessoas nem aos multibancos conseguiam ir buscar o dinheiro que tinham, porque não havia, teve algum impacto em Portugal, na altura. E eu estou convencido que é por isso que o Partido Comunista Português e o Bloco de Esquerda, como se costuma dizer e espero que isto não seja visto como impróprio, rosnam mas não mordem, quer dizer, ameaçam mas não concretizam", frisou Passos Coelho.

"Vão dizendo que o Governo não devia ceder tanto à União Europeia, à Comissão Europeia, devia gastar mais, a obsessão pela redução do défice não devia ser tanta, a redução da dívida não devia ser tanta, que até se devia reestruturar a dívida, sendo que uma parte dela está cá dentro, reestruturá-la era não pagar, era deixar falir os bancos, a segurança social e por aí fora, seria o desastre completo", enunciou o ainda líder do PSD.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.