PCP chama ministro da Ciência ao parlamento para abordar descongelamento de carreiras

| Política

|

O grupo parlamentar do PCP requereu hoje, "com carácter potestativo, a audição urgente" do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior sobre os problemas na concretização do descongelamento das carreiras, nomeadamente dos professores universitários.

"Urge que as instituições do ensino superior cumpram o previsto no Orçamento do Estado para 2018, que por proposta do PCP, constituiu o direito a todos os trabalhadores a verem a sua carreira descongelada e a terem o acréscimo remuneratório relativo a esse descongelamento. Urge que o Governo assegure as verbas necessárias para que tal possa acontecer e para que os trabalhadores vejam os seus direitos integralmente cumpridos", lê-se no texto.

Segundo os comunistas, estava prevista a regularização das remunerações a partir de 2018 e de forma faseada até dezembro de 2019, "de acordo com os pontos obtidos por cada trabalhador, de acordo com o sistema de avaliação aplicável, nos anos em que as carreiras estiveram congeladas, ou no caso de não terem sido avaliados, é contabilizado um ponto por cada ano de congelamento".

"A realidade é que em junho de 2018, existem docentes que ainda não viram o seu processo regularizado", condena o PCP.

O documento, a fim de ouvir o ministro Manuel Heitor, foi entregue na comissão parlamentar de Educação e Ciência.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.