Professores e Governo apuram "quanto custa o descongelamento"

| Política

“Nós não estaremos na mesa negocial para discutir o tempo”, advertiu o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira
|

A reunião que marcou o reinício das negociações entre o Ministério da Educação e as estruturas sindicais dos professores, agora com as Finanças à mesa, determinou o apuramento dos custos da recuperação do tempo de serviço congelado. Tarefa a cargo de uma comissão técnica que terá a primeira sessão de trabalho já na próxima semana.

Contas em curso, negociações adicionais remetidas para setembro. Foi esta a decisão tomada na quarta-feira durante a reunião que juntou a cúpula do Ministério da Educação, um par de secretários de Estado de Mário Centeno e os sindicatos dos docentes.

A greve às avaliações é interrompida a partir de sexta-feira. A trégua prolonga-se até 17 setembro.

Diante de centenas de professores concentrados diante do Ministério da Educação, Mário Nogueira resumiu os resultados do encontro: “O Governo veio dizer que finalmente aceita que se crie uma comissão técnica para apurar quanto custa afinal o descongelamento”.

“Teve a importância de o Governo finalmente aceitar fazer contas sérias e rigorosas relativamente ao custo do descongelamento e da recuperação do tempo de serviço, teve a utilidade de o Governo, pela primeira vez, não ir para uma reunião a afirmar que o tempo a recuperar eram dois anos, nove meses e 18 dias e que, portanto, recuperar os nove anos, quatro meses e dois dias estava fora de hipótese”, detalhou.

Ana Isabel Costa – Antena 1

O secretário-geral da Federação Nacional dos Professores martelaria o aviso de que não haverá luz verde sindical à negociação de quaisquer condições que não passem por recuperar na íntegra o tempo de serviço congelado.

“Nós não estarmos na mesa negocial para discutir o tempo”, advertiu o dirigente da Fenprof, para acrescentar, adiante, que os sindicatos nunca deixarão “cair o tempo completo”.

Mário Nogueira apelou ainda aos partidos – à esquerda e à direita do PS, a única formação que não recebeu os sindicatos da classe em audiência - para que “não deem o aval ao Orçamento do Estado se não estiver prevista a recuperação do tempo de serviço”, assinalando que “esta questão não é partidária”.

Os resultados das contas da comissão técnica devem ser tornados públicos até ao termo do mês de julho.
“Faremos caminho”
Em declarações também recolhidas pela Antena 1, o secretário-geral da Federação Nacional da Educação, João Dias da Silva, não mostrou entusiasmo após o encontro de quarta-feira.

“O grande drama que eu trazia da reunião era poder dizer aos professores que já foi desta vez que o Governo cedeu nos nove anos, quatro meses e dois dias e não pude trazer essa resposta hoje”, lamentou o dirigente da FNE.

Igualmente ouvido pelos jornalistas no final da reunião, o ministro da Educação voltou a colocar de parte a contabilização integral do tempo congelado – de 2011 a 2017.

“Não, o que eu disse é que faremos caminho. Precisamos de ter premissas comuns, uma pedra basilar que seja comum, que não seja de nenhuma forma algo que possa distorcer o nosso diálogo e nesse sentido termos números que sejam sólidos e que sejam entendidos por ambas as partes como robustos”, frisou Tiago Brandão Rodrigues.

“Fazer caminho é entender até onde podemos ir”, resumiu o governante. Reiterou ainda que, a expensas da criação da comissão técnica, que visará “dissipar qualquer dúvida”, a “reconstituição da carreira tem vicissitudes financeiras impossíveis de comportar”.

“A sustentabilidade não nos permite hoje ir mais longe da proposta que fizemos às organizações sindicais”, rematou.

c/ Lusa

Tópicos:

Congelado, Educação, FNE, Fenprof, Governo, João Dias da Silva, Ministro, Ministério, Mário Nogueira, Professores, Serviço, Sindicatos, Tempo, Tiago Brandão Rodrigues,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.