PSD e Governo sintonizados para aumentar despesas militares

| Política
PSD e Governo sintonizados para aumentar despesas militares

A ver: PSD e Governo sintonizados para aumentar despesas militares

Rui Rio concorda com o aumento das despesas militares. O líder do PSD revelou que o Governo acertou com o seu partido a posição que levaria à cimeira da NATO de gastar mais na Defesa.

A revelação começou por ser feita a uma plateia de administradores e gestores de empresas. Pouco depois, aos jornalistas, o presidente do PSD esclareceu como soube, afinal, o que António Costa e o Governo português se compremeteram na Cimeira da NATO.

Segundo Rui Rio, "o Governo, efetivamente, avisou o PSD que ia tomar essa posição, no quadro de uma cooperação que há em matérias de defesa e em matérias de negócios estrangeiros".

Com o que lhe foi comunicado, Rui Rio fez as contas.
E já sabe quanto vai custar a Portugal o reforço das verbas para a Defesa: "Haverá nos próximos quatro, cinco anos, um crescimento dessa verba que, ainda assim, fica abaixo dos 2%. Mas ainda assim significa um esforço que é à volta, nas minhas contas, de 700 M€".

Trata-se de um aumento progressivo que chegará a este montante daqui a cinco anos. O líder social-democrata não acredita que a questão complique as negociações do Orçamento do Estado para 2019.
E, mesmo que complique, é um problema que não é do PSD: "Não é uma verba astronómica, mas naturalmente é uma verba que pesa no orçamento do Estado. Mas isso é uma matéria no quadro da coligação parlamentar, eles terão de resolver".

Rui Rio entende que Portugal se deve manter na Aliança Atlântica, integrado na estratégia europeia para a NATO, com uma participação mais operacional e menos administrativa.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.