PSD, PS e CDS-PP chumbam alterações à lei laboral do PCP, BE e PEV

| Política

PSD, PS e CDS-PP chumbaram hoje, logo na generalidade, diplomas apresentados pelo PCP, BE e PEV para alteração da legislação laboral em matérias como o banco de horas, adaptabilidade e convenções coletivas de trabalho.

Ao longo da série de votações - 11 no total -, apenas um diploma do Bloco de Esquerda (BE) sobre adaptabilidade individual e banco de horas individual escapou ao chumbo, tendo baixado diretamente a comissão especializada sem votação na generalidade.

A questão da adaptabilidade individual e banco de horas individual é uma matéria em discussão na concertação social, mas em relação à qual o programa do Governo prevê a introdução de alterações.

Em relação às restantes votações, apenas por duas vezes a bancada socialista não esteve ao lado do PSD e do CDS-PP no voto contra os projetos que estiveram esta tarde em discussão na sequência de um debate marcado pelo PCP sobre leis laborais.

O PS absteve-se nos projetos do PCP e do BE para a eliminação dos regimes de adaptabilidade e banco de horas da lei geral do trabalho em funções públicas.

Apesar da abstenção dos socialistas, o voto contra do PSD e do CDS-PP acabou por determinar o chumbo desses dois diplomas, que tiveram o apoio do PCP, BE, PEV e PAN.

O CDS-PP apresentou igualmente uma resolução em matéria laboral a recomendar ao Governo um levantamento sobre o número de trabalhadores abrangidos pela flexibilidade de horário, mas aqui, porém, as bancadas da esquerda uniram-se no voto contra e reprovaram a iniciativa dos democratas-cristãos, que teve o apoio do PSD.

Tópicos:

PAN, PEV,

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.