Rui Rio considera que o país pode estar na iminência de crise política

por RTP

Rui Rio considera que Portugal pode estar na iminência de uma crise política grave, com um eventual chumbo do Orçamento e com eventual marcação de eleições legislativas antecipadas. O presidente do PSD considera que só depois da votação do OE 2022 seria de marcar as eleições directas no PSD.

O presidente do PSD acusou de tentativa de "assalto ao poder" quem criticou o seu apelo de adiar a marcação de eleições diretas para depois do Orçamento, e anunciou que levará a proposta a votos.

À entrada para o Conselho Nacional do PSD, Rio escusou-se a comentar a anunciada candidatura do eurodeputado Paulo Rangel nem adiantar se ele próprio será recandidato.

"Hoje, ouvi um conjunto de ataques, alguns de caráter pouco nobre, só porque fiz uma sugestão. Lamento que o partido tenha chegado a este estado, em que depois de umas eleições em que averbamos uma vitória política, no espaço de 15 dias já estejam a tentar destruir tudo o que partido conseguiu", criticou.

Dizendo não se estar a referir em concreto a Paulo Rangel, o presidente do PSD falou mesmo de "assalto ao poder daqueles que põem o seu interesse pessoal à frente do interesse do país".

Por isso, anunciou, já deu entrada na mesa do Conselho Nacional uma proposta formal da Comissão Permanente para que se adie a votação do calendário interno no partido para depois da votação do Orçamento do Estado.

"Temos de clarificar e espero que a maioria do Conselho Nacional tenha bom senso e coloque o interesse do PSD à frente e pondere bem a responsabilidade bem que é o chumbo desta proposta", apelou.

(c/ Lusa)
pub