Santos Silva reitera disponibilidade de Portugal na ajuda à Venezuela

| Política

|

Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela, mas não reconhece a legitimidade da nova assembleia promovida pelo governo de Maduro, que veio substituir a Assembleia Nacional, onde a oposição está em maioria. Augusto Santos Silva abordou também as relações entre Portugal e Angola e o primeiro ano da presidência Trump.

Veja aqui a entrevista completa:



Augusto Santos Silva reconhece que há limites ao tradicional registo da diplomacia portuguesa de se dar bem com toda a gente e dá o exemplo da Coreia do Norte. Sobre o caso judicial que envolve o ex-vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, e que prejudica o momento político e diplomático entre os dois países, Augusto Santos Silva define-o como um caso irritante.
 
Sendo as políticas de migrações uma das áreas sensíveis atualmente na Europa, o ministro defende que a Organização Internacional das Migrações seja liderada por um europeu e, no caso, o português António Vitorino.
 
No próximo sábado completa-se um ano desde que Donald Trump tomou posse como Presidente dos Estados Unidos. Nesta entrevista, o ministro dos Negócios Estrangeiros destaca aquilo em que os norte-americanos se afastaram dos países europeus.
 
Nesta altura, uma das principais prioridades diplomáticas portuguesas junto da ONU é a extensão da plataforma marítima continental portuguesa. Augusto Santos Silva afirma na Antena 1 que o processo corre bem e vai conhecer desenvolvimentos no próximo mês.

Na próxima década, as exportações devem significar metade da riqueza do país. A fasquia foi colocada pelo MNE na entrevista ao programa Visão Global, da Antena 1.

Tópicos:

Entrevista, Ministro dos Negócios Estrangeiros, Portugal, Trump, Venezuela, Augusto Santos Silva,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.