"Ser primeira escolha". Cristas repete meta no último dia do Congresso

| Política

“Quero que haja uma alternativa de centro-direita em Portugal e isso passa por 116 deputados”, afirmou Cristas à entrada para as últimas horas de trabalhos do Congresso do CDS-PP
|

À entrada para as derradeiras horas de trabalhos do 27.º Congresso do CDS-PP, Assunção Cristas insistiu, este domingo, no duplo objetivo de “derrotar as esquerdas unidas e ter uma alternativa de centro-direita em Portugal”. Sem abdicar de procurar a conquista de eleitores à tradicional esfera do PSD. Porque “acabou o voto útil”.

Rodeada pelos jornalistas, à entrada para o pavilhão onde decorreu este fim de semana a reunião magna dos democratas-cristãos, Cristas repetiu a ideia de que encontrou em Lamego “um partido unido em torno de um objetivo”, a expensas de vozes críticas no seio do CDS-PP.
Os ponteiros dos relógios já se aproximavam das 4h00 deste domingo quando Assunção Cristas viu aprovada com braços erguidos a sua moção de estratégia global, “Um passo à frente”.
O objetivo, reiterou a líder do CDS-PP, “é tudo fazer, tudo o que está ao alcance, para podermos derrotar as esquerdas unidas e ter uma alternativa de centro-direita em Portugal”.

“É esse o objetivo e nesta matéria as vozes foram de facto unidas”, vincou.

Quanto a Rui Rio, que devolveu o gesto de há três semanas - quando Assunção Cristas esteve no encerramento do Congresso do PSD - e aceitou estar presente no encerramento da reunião magna de Lamego, a líder do CDS-PP martelou a tecla de “uma alternativa de centro-direita”.

“Isso passa por 116 deputados. Hoje acabou o voto útil, o voto está mais livre e as pessoas que se calhar já gostavam de nós, mas que às vezes achavam que eles nunca lá chegam, agora podem achar que chegam E eu direi que quero ser a primeira escolha”, enunciou.

A caminho das urnas onde foram depositados os votos para os órgãos nacionais do partido, Assunção Cristas não quis quantificar o objetivo da eleição de mais deputados nas próximas legislativas.


“Todos os que nos forem confiados pelos portugueses, com muito sentido de humildade e realismo. Nós temos 18 deputados, sabemos bem de onde partimos. O objetivo é termos mais de 18”, sintetizou.

Repetidamente questionada sobre o alcance da ambição eleitoral do partido, designadamente se este terá condições para ir captar eleitorado à esquerda, Cristas sustentou que “todos os partidos e todos os líderes partidários não reclamam a proveniência de votos, um voto é um voto”, para acrescentar, adiante, que “há muito eleitorado que oscila”.

“A fasquia tem que ser alta porque nós temos que sonhar, temos que ter ambição. É o que o país merece. Agora eu digo sempre, em todos os desafios eleitorais, que nós temos humildade e sentido de realidade. Sabemos de onde partimos e onde queremos chegar. Onde chegaremos, isso é o que os portugueses vão dizer”, acentuou.

Tópicos:

Assunção Cristas, CDS-PP, Congresso, Lamego, Líder, Órgãos,

A informação mais vista

+ Em Foco

No mês do Mundial de futebol a RTP faz uma radiografia da vida na Rússia.

    Entrevista a António Mateus para o programa "Olhar o Mundo". Veja aqui.

    Um olhar aos altos e baixos da relação entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

      A RTP esteve em 2017 no navio Aquarius, agora acolhido por Espanha com mais de 600 migrantes a bordo. Veja ou reveja a reportagem.