"Ser primeira escolha". Cristas repete meta no último dia do Congresso

| Política

“Quero que haja uma alternativa de centro-direita em Portugal e isso passa por 116 deputados”, afirmou Cristas à entrada para as últimas horas de trabalhos do Congresso do CDS-PP
|

À entrada para as derradeiras horas de trabalhos do 27.º Congresso do CDS-PP, Assunção Cristas insistiu, este domingo, no duplo objetivo de “derrotar as esquerdas unidas e ter uma alternativa de centro-direita em Portugal”. Sem abdicar de procurar a conquista de eleitores à tradicional esfera do PSD. Porque “acabou o voto útil”.

Rodeada pelos jornalistas, à entrada para o pavilhão onde decorreu este fim de semana a reunião magna dos democratas-cristãos, Cristas repetiu a ideia de que encontrou em Lamego “um partido unido em torno de um objetivo”, a expensas de vozes críticas no seio do CDS-PP.
Os ponteiros dos relógios já se aproximavam das 4h00 deste domingo quando Assunção Cristas viu aprovada com braços erguidos a sua moção de estratégia global, “Um passo à frente”.
O objetivo, reiterou a líder do CDS-PP, “é tudo fazer, tudo o que está ao alcance, para podermos derrotar as esquerdas unidas e ter uma alternativa de centro-direita em Portugal”.

“É esse o objetivo e nesta matéria as vozes foram de facto unidas”, vincou.

Quanto a Rui Rio, que devolveu o gesto de há três semanas - quando Assunção Cristas esteve no encerramento do Congresso do PSD - e aceitou estar presente no encerramento da reunião magna de Lamego, a líder do CDS-PP martelou a tecla de “uma alternativa de centro-direita”.

“Isso passa por 116 deputados. Hoje acabou o voto útil, o voto está mais livre e as pessoas que se calhar já gostavam de nós, mas que às vezes achavam que eles nunca lá chegam, agora podem achar que chegam E eu direi que quero ser a primeira escolha”, enunciou.

A caminho das urnas onde foram depositados os votos para os órgãos nacionais do partido, Assunção Cristas não quis quantificar o objetivo da eleição de mais deputados nas próximas legislativas.


“Todos os que nos forem confiados pelos portugueses, com muito sentido de humildade e realismo. Nós temos 18 deputados, sabemos bem de onde partimos. O objetivo é termos mais de 18”, sintetizou.

Repetidamente questionada sobre o alcance da ambição eleitoral do partido, designadamente se este terá condições para ir captar eleitorado à esquerda, Cristas sustentou que “todos os partidos e todos os líderes partidários não reclamam a proveniência de votos, um voto é um voto”, para acrescentar, adiante, que “há muito eleitorado que oscila”.

“A fasquia tem que ser alta porque nós temos que sonhar, temos que ter ambição. É o que o país merece. Agora eu digo sempre, em todos os desafios eleitorais, que nós temos humildade e sentido de realidade. Sabemos de onde partimos e onde queremos chegar. Onde chegaremos, isso é o que os portugueses vão dizer”, acentuou.

Tópicos:

Assunção Cristas, CDS-PP, Congresso, Lamego, Líder, Órgãos,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.