José Pedro Fontes e navegadora fora de perigo - Hospital

| Rali de Portugal

Inês Ponte dá entrada no hospital
|

O piloto português José Pedro Fontes e a sua navegadora, Inês Ponte, estão fora de perigo, conscientes e a aguardar avaliação das lesões, informou hoje o hospital de Viana do Castelo, em comunicado.

O diretor do serviço de urgência da Unidade de Saúde Local do Alto Minho (ULSAM), Rui Escaleira, deu conta que "as vítimas encontram-se sem risco de vida, conscientes, tranquilas, com estado clinico estável e atualmente estão em curso os exames complementares de diagnóstico necessários à melhor caracterização da extensão e da eventual gravidade das lesões".

"Pelas 12:30 de hoje, foram admitidos no serviço de urgência médico cirúrgico da ULSAM um piloto do sexo masculino e respetivo copiloto do sexo feminino, vitimas de acidente automobilístico de elevada energia que ocorreu durante a prova Rali de Portugal", refere o comunicado, acrescentando que foram "imediatamente" observadas pela equipa de trauma da unidade.

O Citroen DS3 R5 embateu num eucalipto, cerca de 400 metros após a partida para os 26,7 quilómetros da segunda especial da sexta prova do Mundial, em Viana do Castelo.

A assessoria de comunicação do rali tinha dado conta de que José Pedro Fontes e Inês Ponte tinham sido transportados para a unidade hospitalar de Viana do Castelo, de ambulância, no caso do piloto bicampeão nacional, e de helicóptero, no caso da navegadora.

José Pedro Fontes foi o último a partir para a segunda prova especial de classificação do Rali de Portugal, a primeira do dia. A 51.ª edição do Rali de Portugal, a disputar até domingo, voltou este ano a integrar o campeonato nacional, que é liderado pelo piloto lisboeta.

O troço cronometrado esteve interrompido para que fosse prestada assistência médica a Fontes e Ponte, tendo sido posteriormente sido reatada a competição.

 

Tópicos:

Minho ULSAM,

Pesquise por: Minho ULSAM,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.