José Pedro Fontes e navegadora fora de perigo - Hospital

| Rali de Portugal

Inês Ponte dá entrada no hospital
|

O piloto português José Pedro Fontes e a sua navegadora, Inês Ponte, estão fora de perigo, conscientes e a aguardar avaliação das lesões, informou hoje o hospital de Viana do Castelo, em comunicado.

O diretor do serviço de urgência da Unidade de Saúde Local do Alto Minho (ULSAM), Rui Escaleira, deu conta que "as vítimas encontram-se sem risco de vida, conscientes, tranquilas, com estado clinico estável e atualmente estão em curso os exames complementares de diagnóstico necessários à melhor caracterização da extensão e da eventual gravidade das lesões".

"Pelas 12:30 de hoje, foram admitidos no serviço de urgência médico cirúrgico da ULSAM um piloto do sexo masculino e respetivo copiloto do sexo feminino, vitimas de acidente automobilístico de elevada energia que ocorreu durante a prova Rali de Portugal", refere o comunicado, acrescentando que foram "imediatamente" observadas pela equipa de trauma da unidade.

O Citroen DS3 R5 embateu num eucalipto, cerca de 400 metros após a partida para os 26,7 quilómetros da segunda especial da sexta prova do Mundial, em Viana do Castelo.

A assessoria de comunicação do rali tinha dado conta de que José Pedro Fontes e Inês Ponte tinham sido transportados para a unidade hospitalar de Viana do Castelo, de ambulância, no caso do piloto bicampeão nacional, e de helicóptero, no caso da navegadora.

José Pedro Fontes foi o último a partir para a segunda prova especial de classificação do Rali de Portugal, a primeira do dia. A 51.ª edição do Rali de Portugal, a disputar até domingo, voltou este ano a integrar o campeonato nacional, que é liderado pelo piloto lisboeta.

O troço cronometrado esteve interrompido para que fosse prestada assistência médica a Fontes e Ponte, tendo sido posteriormente sido reatada a competição.

 

Tópicos:

Minho ULSAM,

Pesquise por: Minho ULSAM,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.