Neuville e Ostberg partem à frente do Rali de Portugal

| Rali de Portugal

Ostberg um dos líderes da prova lusa em 2012 vai ser o 12º a enfrentar os troços cronometrados
|

O belga Thierry Neuville (Hyundai i20) e o norueguês Mads Ostberg (Ford Fiesta) partem esta sexta feira para o segundo dia do Rali de Portugal na liderança repartida, na etapa que liga Viana do Castelo a Braga, depois de terem igualado o melhor tempo na superespecial de Lousada.

Neuville, vencedor das últimas duas provas e terceiro no Mundial, e Ostberg detêm um décimo de segundo sobre o neozelandês Hayden Paddon (Hyundai i20), mas vai ser o francês e tetracampeão do mundo Sébastien Ogier (Ford Fiesta) o primeiro a partir para as seis classificativas no Alto Minho e para a "Braga Street Stage".

O estatuto de líder do Mundial vai obrigar Ogier, sexto na superespecial a 0,7 segundos dos mais rápidos, a partir na frente e a 'limpar' a estrada, seguindo-se a ordem da classificação de pilotos, com o finlandês Jari-Matti Latvala, vencedor do Rali de Portugal em 2015, e Neuville, enquanto Ostberg, que venceu a prova lusa em 2012, vai ser o 12º a enfrentar os troços.

No dia seguinte ao arranque na pista de ralicrosse de Lousada, a 51ª edição do Rali de Portugal prossegue com oito classificativas, a disputar a partir das 10h09, com duplas passagens pela renovada especial de Viana do Castelo (26,7 km) e pelos invertidos troços de Caminha (18,1 km) e Ponte de Lima (27,46 km), antes da estreia da "Braga Street Stage" (1,9 km), que sucede ao mesmo conceito urbano disputado anteriormente no Porto.

Miguel Campos vai defender o estatuto de português mais rápido em prova, depois de ter sido 22º em Lousada, uma liderança presa por meio segundo sobre Pedro Meireles e Miguel Barbosa, todos em Skoda Fabia R5.

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas ruas das cidades angolanas, as caravanas cruzam-se em ambiente descontraído. O cenário repete-se em M'banza Congo.

Os responsáveis pelo parque prometeram valorizá-lo e vão renovar a frota automóvel e envolver operadores privados nas visitas aos núcleos de gravuras rupestres.

O maior banco francês fez soar os alarmes na Europa ao suspender três fundos de investimento relacionados com créditos nos Estados Unidos.

Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.