Neuville e Ostberg partem à frente do Rali de Portugal

| Rali de Portugal

Ostberg um dos líderes da prova lusa em 2012 vai ser o 12º a enfrentar os troços cronometrados
|

O belga Thierry Neuville (Hyundai i20) e o norueguês Mads Ostberg (Ford Fiesta) partem esta sexta feira para o segundo dia do Rali de Portugal na liderança repartida, na etapa que liga Viana do Castelo a Braga, depois de terem igualado o melhor tempo na superespecial de Lousada.

Neuville, vencedor das últimas duas provas e terceiro no Mundial, e Ostberg detêm um décimo de segundo sobre o neozelandês Hayden Paddon (Hyundai i20), mas vai ser o francês e tetracampeão do mundo Sébastien Ogier (Ford Fiesta) o primeiro a partir para as seis classificativas no Alto Minho e para a "Braga Street Stage".

O estatuto de líder do Mundial vai obrigar Ogier, sexto na superespecial a 0,7 segundos dos mais rápidos, a partir na frente e a 'limpar' a estrada, seguindo-se a ordem da classificação de pilotos, com o finlandês Jari-Matti Latvala, vencedor do Rali de Portugal em 2015, e Neuville, enquanto Ostberg, que venceu a prova lusa em 2012, vai ser o 12º a enfrentar os troços.

No dia seguinte ao arranque na pista de ralicrosse de Lousada, a 51ª edição do Rali de Portugal prossegue com oito classificativas, a disputar a partir das 10h09, com duplas passagens pela renovada especial de Viana do Castelo (26,7 km) e pelos invertidos troços de Caminha (18,1 km) e Ponte de Lima (27,46 km), antes da estreia da "Braga Street Stage" (1,9 km), que sucede ao mesmo conceito urbano disputado anteriormente no Porto.

Miguel Campos vai defender o estatuto de português mais rápido em prova, depois de ter sido 22º em Lousada, uma liderança presa por meio segundo sobre Pedro Meireles e Miguel Barbosa, todos em Skoda Fabia R5.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.