Rali de Portugal: Neuville aumenta vantagem sobre Evans na secção matinal

| Rali de Portugal

|

O belga Thierry Neuville (Hyundai i20) praticamente duplicou sábado a vantagem sobre o britânico Elfyn Evans (Ford Fiesta) no Rali de Portugal, após as três primeiras especiais do terceiro dia da sexta prova do Mundial.

Após 12 provas troços cronometrados, o segundo classificado do Mundial de pilotos lidera a prova portuguesa com 29,9 segundos de diferença sobre Evans, que era de 17,7 à partida para as primeiras passagens pelas classificativas de Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto e Amarante.

Neuville optou por gerir a vantagem e os pneus nas duas primeiras provas especiais de classificação e atacou na última, a mais longa da prova, conquistando 17,2 segundos ao britânico.

Evans tem sido o seu principal rival no rali luso, depois da ‘razia’ de desistências que, na sexta-feira, afastou, entre outros, o francês Sébastien Ogier (Ford Fiesta), pentacampeão do mundo e líder do Mundial, e o estónio Ott Tänak (Toyota Yaris). Em terceiro lugar segue o espanhol e seu companheiro de equipa Dani Sordo, a 34,9 segundos.

“Fizemos algumas mudanças antes da etapa e, claramente, esta especial é um pouco escorregadia, pelo que decidi acelerar. Parece que fiz um bom tempo, mas vai ser difícil durante a tarde”, referiu Neuville, segundo do Mundial de pilotos a 10 pontos de Ogier.

Os finlandeses Teemu Suninen (Ford Fiesta) e Esapekka Lappi (Toyota Yaris) seguem na quarta e quinta posições, respetivamente, a praticamente um minuto de Neuville.

Também no troço de Amarante, o britânico Kris Meeke (Citroën C3) despistou-se e ficou fora da prova, quando já estava a mais de um minuto e meio da liderança. Segundo a marca francesa, o acidente não teve consequências físicas para o vencedor do Rali de Portugal em 2016.

O finlandês Jari-Matti Latvala (Toyota Yaris), que tal como Ogier e o norueguês Andreas Mikkelsen (Hyundai i20) prossegue em prova como Rali 2, foi o mais rápido na primeira passagem por Vieira do Minho, enquanto Evans dominou o troço de Cabeceiras de Basto, conseguindo uma aproximação entretanto anulada por Neuville.

“Está tudo bem. Eu podia dizer que não estava, mas não sei o que fazer para mudar. Não tive qualquer tração na segunda parte da especial”, lamentou Evans, após concluir o troço de Amarante.

Na secção da tarde da prova portuguesa, os pilotos vão voltar a percorrer, a partir das 15:08, os troços de Vieira do Minho (17,5 km), Cabeceiras de Basto (22,22 km) e Amarante (37,6 km).

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.