Manifestação em Bruxelas leva a confrontos com a polícia

por RTP

O princípio da tarde de domingo em Bruxelas tem sido complicado, com confrontos entre polícia e manifestantes que protestam contra o Acordo de Marraquexe, que quer dar mais proteção a migrantes.

O protesto foi convocado por nacionalistas belgas da Flandres, que contestam a presença da Bélgica no acordo. A manifestação contra o Pacto de Marraquexe juntou cerca de 5.000 pessoas.

As imagens da correspondente da Antena 1 em Bruxelas, Andrea Neves, mostram momentos de tensão entre manifestantes e polícia.

Segundo o correspondente da RTP, Duarte Valente, a polícia mostrava uma atitude passiva e, embora apenas estivesse autorizada uma concentração estática, os manifestantes começaram a deslocar-se até um local fronteiro à Comissão Europeia.

Aí começaram a ocupar o local e houve finalmente uma reacção policial para desmobilizar o grupo. Muitas das grades que a polícia tinha usado para isolar o local foram utilizados pela violência dos manifestantes. A polícia acabou por ter de recorrer a canhões de água e a gases lacrimogéneos, para controlar a manifestação.

Paralelamente, e à mesma hora, realizava-se noutro local de Bruxelas uma manifestação dos sindicatos, com grande aparato policial a rodeá-la.

A manifestação dos sindicatos, com cerca de um milhar de pessoas, era a expressão no espaço público de uma grande agitação que, segundo a Agência France Press, se fez sentir em numerosas empresas na última semana, reivindicando aumentos salariais e contestando as mudanças que em 2016 o Governo de centro-direita introduziu nas pensões de reforma.
Segundo a AFP, só nos sectores têxtil e metalúrgico, 260 empresas foram atingidas por essa vaga de paralisações.

Em Namur, na Valónia, várias centenas de pessoas manifestaram-se também, correspondendo à mesma convocatória sindical. Parte dos manifestantes ostentavam coletes amarelos.

Tópicos