Coletes Amarelos marcam fim da classe média, defende autor francês

| Europa-França
Coletes Amarelos marcam fim da classe média, defende autor francês

A ver: Coletes Amarelos marcam fim da classe média, defende autor francês

O movimento dos coletes amarelos está em protesto desde novembro de 2018. Para Christophe Guilluy, é um exemplo do fim da classe média.

Christophe Guilluy, geógrafo e autor, descreve o movimento dos coletes amarelos como um exemplo da "revolta do povo".

Defende, no livro "No Society" que publicou no final de 2018, o que considera ter sido o fim da classe média ocidental.

Em entrevista ao Europa Minha, que pode rever aqui, classifica os coletes amarelos como pequenos movimentos que surgem em todo o território francês, "das pequenas cidades, cidades médias, zonas rurais" onde estão os "pequenos trabalhadores independentes".

Para o autor, os coletes amarelos são um "movimento existencial", que pretende informar a elite francesa da sua existência através dos protestos, por sentir que não há representação entre "a cúpula e a base".

O movimento dos coletes amarelos, que está em protesto desde novembro de 2018, começou por exigir a suspensão de um novo imposto sobre os combustíveis. As reivindicações multiplicaram-se e os manifestantes apelam a melhores condições de vida e à demissão do Presidente Emmanuel Macron.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 7 de outubro de 1944, os trabalhadores forçados do Sonderkommando de Auschwitz-Birkenau atacaram os guardas da SS.

Estamos em plena campanha para as Legislativas. Não queremos aqui influenciar o seu voto, mas tratar as dúvidas que nos apareceram a nós e que podem também ser as suas.

    Os portugueses escolhem os seus representantes a 6 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as Eleições Legislativas.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.