Paços de Ferreira diz que o Aves usou “argumentos falsos” para cortar relações

| Taça da Liga

|

O Paços de Ferreira defendeu hoje que o Desportivo das Aves recorreu a "argumentos falsos" para fundamentar o corte de relações institucionais anunciado após o jogo da Taça da Liga de futebol, disputado no sábado à porta fechada.

Em comunicado, a direção do clube pacense lamenta ser forçada a fazer a defesa da honra, dignidade e bom nome da instituição, afirmando que "a Direção do CD Aves necessitava de um qualquer pretexto para consumar a ameaça efetuada antes da realização do jogo a contar para a Taça da Liga, de modo a justificar o pretendido corte de relações institucionais".

"Como certamente se terão surpreendido pela forma correta e digna como foram recebidos, tornou-se necessário o recurso a argumentos falsos, sem fundamento, e pasme-se, colocando em causa quer o FC Paços de Ferreira, a Liga Portugal e as próprias forças policiais que negam veementemente a correspondência com a realidade dos factos que pretendiam criar fantasiosamente", pode ler-se no comunicado.

No documento, dizem que o Paços de Ferreira pretende acrescentar à "clara e evidente decisão de corte de relações institucionais" por iniciativa do Aves "o corte de relações pessoais com todos aqueles que pela sua atuação e falta de sentido de responsabilidade contribuíram decisivamente para os factos ocorridos".

"Seria difícil imaginar que alguém pudesse contribuir publica e irresponsavelmente para que um grupo de adeptos com ligações ao clube em causa se fizesse deslocar ao centro da cidade de Paços de Ferreira e às instalações desportivas do nosso Clube ameaçando e atentando contra a integridade física quer de adeptos quer de atletas e dirigentes da formação do FC Paços de Ferreira e ainda causar danos em estabelecimentos comerciais da cidade", denuncia o Paços de Ferreira.

Em causa estão os confrontos ocorridos em Paços de Ferreira horas depois do jogo que terminou empatado 0-0, envolvendo adeptos locais e do Aves, que ali se deslocaram após terem tido conhecimento dos incidentes no Estádio Capital do Móvel, nomeadamente o furto da bandeira do clube do espaço onde se encontrava hasteada, motivando a intervenção das forças da autoridade.

"Quanto ao desaparecimento da bandeira do CD das Aves, reconhecemos o seu desaparecimento (que lamentamos) do espaço onde se encontrava hasteada (sito no exterior do Estádio junto à via publica), sendo que nos prontificámos a liquidar todos os custos inerentes à sua substituição, o que foi prontamente recusado pelo representante do CD das Aves", refere ainda o comunicado.

O Paços de Ferreira falou ainda de uma "atuação digna" dos responsáveis do clube, face a "uma atitude lamentável" do representante do Aves, sem fazer qualquer referência aos alegados insultos de teor xenófobo para com o presidente avense, de nacionalidade chinesa, que o clube da I Liga se queixou e que, também, terão justificado o anúncio do corte de relações institucionais entre os dois emblemas.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.