Terceira etapa da Volta com percurso montanhoso entre Figueira de Castelo Rodrigo e Bragança

| Volta a Portugal

|

A terceira etapa da 79.ª Volta a Portugal em bicicleta vai ligar Figueira de Castelo Rodrigo a Bragança, num percurso "extremamente sinuoso", de 170 quilómetros, anunciou hoje a organização.

"O calor e a travessia da Serra de Bornes [onde estará instalada uma contagem de segunda categoria] serão os principais obstáculos desta etapa. As primeiras dificuldades registar-se-ão logo no primeiro terço do percurso, com a passagem em Vila Nova de Foz Coa e Torre de Moncorvo, onde estarão instalados dois prémios de montanha de terceira categoria", analisou o diretor da Volta, citado em comunicado.

Para Joaquim Gomes, a última seleção no lote de candidatos à vitória será feita já em Bragança. "Provavelmente será um pelotão muito fracionado que vai chegar ao final de etapa na Avenida D. Sancho I", anteviu.

No historial de inícios e chegadas da Volta a Portugal, Figueira de Castelo Rodrigo, que no ano passado regressou ao percurso da prova rainha do calendário velocipédico nacional, conta já com nove participações, seis das quais como ponto de partida.

Por outro lado, Bragança acolherá, pela 17.ª vez no historial da prova que este ano festeja 90 anos, uma chegada. Já em 1927, aquando da realização da primeira Volta a Portugal, a cidade foi escolhida para acolher uma meta.

A 79.ª Volta a Portugal em bicicleta vai percorrer as estradas nacionais, entre 04 e 15 de agosto, com o português Rui Vinhas (W52-FC Porto) como campeão em título.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o ministro do Trabalho e da Segurança Social considera que a apresentação da moção de censura não vai trazer mudanças significativas.