Ouvir
Em Direto

Lançamento da obra “Butá Kloson Ba Lônji - Cancioneiro da Música Popular São-tomense” de Luís Viegas

Lançamento da obra “Butá Kloson Ba Lônji - Cancioneiro da Música Popular São-tomense” de Luís Viegas


O surgimento dos grupos musicais de São Tomé e Príncipe, a sua mensagem política e a implicação que produziu no seio das relações sociais, são a base do livro “Butá Kloson Ba Lônji - Cancioneiro da Música Popular São-Tomense” da autoria do Embaixador de São Tomé em Portugal, Luís Viegas, que será apresentado no auditório da UCCLA, no dia 9 de maio, às 18h30.

- Biografia do autor:

Luís Guilherme D'Oliveira Viegas nasceu em 1967, em São Tomé e Príncipe. Fez o ensino primário e liceal em São Tomé. Iniciou a sua atividade profissional como professor de francês, área em que se formou pela Universidade Balise Pascal de Clermont-Ferrand, França (Letras Modernas).

Obteve o diploma de tradutor e intérprete de Conferência pela INA - Instituto Nacional de Administração de Portugal - e graduou-se em Diplomacia pelo Instituto Rio Branco, em Brasília, Brasil. Diplomata de carreira, no Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de São Tomé e Príncipe, onde ocupou vários cargos de direção.

É Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário de São Tomé e Príncipe em Portugal e Marrocos. É Representante Permanente deste país junto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Neste livro em que mostra parte do repertório musical das ilhas, responde à vontade de partilhar com o público a sua paixão pelas línguas nativas de São Tomé e Príncipe, em particular pelo crioulo "santomé".


- Sinopse do livro:

Com a obra "Butá Kloson Ba Lônji" o autor debruça-se sobre o surgimento dos grupos musicais são-tomenses nos ano 60 do séc. XX, e traça as características das músicas tocadas nessa época, as quais são marcadamente de intervenção política como meio de sensibilizar o povo são-tomense para a luta de libertação do jugo colonial, por um lado, e, por outro, servindo de retrato das complexas teias de relacionamento social.

Tanto a mensagem política como o retrato da vivência social são musicados em língua nacional “Santomé” com recurso a metáforas de difícil interpretação, mesmo para muitos falantes nativos, e o autor procura traduzi-las com toda a fidelidade semântica para a Língua Portuguesa com vista a uma maior compreensão da sociedade são-tomense da época. A densidade metafórica utilizada nas mensagens de cariz político na época era um meio de escapar à censura.