Ouvir
Revista de Imprensa Nacional
Em Direto
Revista de Imprensa Nacional

Assaltantes de banco em Cabo Verde condenados até 16 anos de prisão

Quatro suspeitos do assalto à mão armada a uma agência bancária na ilha cabo-verdiana da Boavista em 2017, incluindo um polícia, foram condenados hoje a penas de 12 a 16 anos de prisão, noticiou a imprensa local.

Assaltantes de banco em Cabo Verde condenados até 16 anos de prisão



Segundo o site local Boavista no Ar, a sentença determinou que a pena superior, 16 anos de cadeia, fosse para o arguido Fredson da Cruz, considerado o chefe da quadrilha e arquiteto do processo, denominado de "A Missão".

Adilson Rocha (Ady) e Everner de Pina (Player) têm de cumprir 12 anos de prisão, à semelhança de Flávio Rocha, agente de Segunda Classe da Polícia Nacional (PN) de Cabo Verde, suspeito de ter roubado a arma da esquadra local, para ser usada no assalto.

Um deputado municipal da ilha da Boavista, que se encontra em prisão preventiva, é também suspeito de estar envolvido no crime, mas segundo a mesma página, o seu julgamento só terá lugar no próximo ano.

O assalto a uma agência do Banco Cabo-verdiano de Negócios (BCN), na cidade de Sal Rei, ilha da Boavista, aconteceu em dezembro passado, no terceiro e último dia de uma greve da PN.

Durante as diligências, a Polícia Judiciária informou que apreendeu droga, telemóveis, uma arma de fogo, arma branca, uma viatura utilizada no crime, trazes "disfarces" utilizados pelos assaltantes e vários documentos bancários.

A imprensa cabo-verdiana noticiou que foi roubado cerca de um milhão de escudos cabo-verdianos (9.000 euros), valor que foi recuperado na altura.

Os suspeitos estavam acusados de dois crimes de roubo com violência contra pessoas agravado, crime de furto qualificado, um crime de roubo com violência, furto de veículo, crime de disparo de arma de fogo, dois crimes de armas (branca e de fogo), uso não autorizado de veículo e crime de danos.

Um dos arguidos foi encontrado com droga e respondeu ainda pela prática de um crime de tráfico de menor gravidade, durante o julgamento que aconteceu este mês.



RYPE // PVJ