Ouvir
Maria Vai com as Outras
Em Direto
Maria Vai com as Outras

Cimeira UE-África 2014 em preparação, em Lisboa

Especialistas defendem na Gulbenkian mudança de paradigma, com uma Europa em crise e o continente africano a crescer

A Conferência Internacional 'A Parceria África-Europa em Construção: que Futuro?' está a decorrer até sexta-feira na Fundação Gulbenkian, em Lisboa. Organizada pelo Instituto Marquês de Valle Flôr, pelo Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais e pelo Centro de Estudos Africanos do ISCTE-IUL, em parceria com o European Centre for Development Policy Management, a iniciativa visa promover o conhecimento e o debate sobre alguns temas estruturantes que terão impacto no relacionamento Europa-África e na cooperação para o desenvolvimento nos próximos anos.

As sessões, a decorrer na sala 2 da Fundação, incluem apresentações e debates sobre os efeitos da crise económica, sobre as questões demográficas, os problemas de segurança, o financiamento do desenvolvimento e os novos atores, incluindo um último painel sobre a definição da arquitetura global do Desenvolvimento.

A conferência tem como pano de fundo a realização da Cimeira UE-África prevista para 2014 e as discussões em curso sobre uma agenda global para o Desenvolvimento pós-2015, que necessariamente ligará questões complexas como a segurança, o ambiente, a governação e o crescimento.

Para Adebayo Olukoshi - diretor do Instituto Africano para o Desenvolvimento Económico e Estratégico, será uma nova era, se África conseguir tirar vantagem do crescimento e se nas duas partes - Europa e África, houver uma mudança de mentalidades.

Para este professor de economia nigeriano, a Europa não pode continuar a agir como se a ajuda fosse a unica coisa importante. Há muitos paises africanos hoje em dia que não precisam de qualquer ajuda porque têm receitas e grande crescimento económico e alguns deles, como Angola, até estão a ajudar paises europeus como Portugal, com investimentos estratégicos para salvar importantes empresas em sectores chave da economia.

O investigador do Centro de Estudos Africanos do ISCTE Gerhard Seibert falou à RDP África sobre a situação em São Tomé e Príncipe. Para Seibert, autor de livros sobre aquele país africano lusófono, foi uma surpresa a nomeação de Gabriel Costa como Primeiro-Ministro.

Outro dos participantes na conferência é Antonieta Rosa Gomes. A ex-ministra dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação da Guiné-Bissau falou sobre a atual situação no país, e defendeu uma gestão pacífica da crise política. Antonieta Rosa Gomes acha que se regista uma evolução no sentido da obtenção de um consenso.

Oiça as declarações de Abebayo Olukoshi, Gerhard Seibert e Antonieta Rosa Gomes.

A acompanhar a conferência está a repórter Paula Borges.