Ouvir
SIMULTÂNEO COM A ANTENA 1
Em Direto
SIMULTÂNEO COM A ANTENA 1

Frelimo diz que respeitará separação de poderes no tratamento das dívidas ocultas

A Procuradoria-Geral da República (PGR) de Moçambique divulgou a 24 de junho passado um sumário executivo do relatório da auditoria às chamadas dividas escondidas

Frelimo diz que respeitará separação de poderes no tratamento das dívidas ocultas


A Frelimo, partido no poder em Moçambique, indicou hoje que vai respeitar a separação de poderes no esclarecimento das circunstâncias em que o anterior governo avalizou secretamente dívidas de mais de dois mil milhões de dólares, avança a agência Lusa.

"A Frelimo respeita a separação de poderes e está encorajada com os passos que já foram dados para o esclarecimento das circunstâncias que levaram a que fossem contraídas essas dívidas", afirmou o porta-voz da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique), António Niquice.

Falando sobre o balanço do segundo dia da VI Sessão Ordinária do Comité Central do partido no poder, António Niquice referiu que o Governo suportado pelo seu partido se tem empenhado na restauração da confiança com as instituições financeiras internacionais e os principais doadores do Orçamento do Estado (OE).

O Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Mundial (BM) e os principais doadores do OE suspenderam a sua ajuda financeira ao país na sequência da divulgação, em abril do ano passado, de notícias de que o Governo moçambicano avalizou dívidas acima de dois mil milhões de dólares a favor de empresas públicas ligadas à segurança marítima e pescas, entre 2013 e 2014.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) de Moçambique divulgou a 24 de junho passado um sumário executivo do relatório da auditoria às chamadas dividas escondidas realizado pela firma internacional Kroll por pressão das instituições financeiras internacionais e dos doadores.